Daniel Teixeira / AE
Daniel Teixeira / AE

Gol de Neymar contra o Flamengo é eleito pelos santistas o mais bonito do clube no século

Leitores do 'Estadão' escolheram o lance que recebeu da Fifa o prêmio Puskás de gol mais bonito do ano em 2011

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2021 | 14h00

Incrível: "o que não é crível, não se pode acreditar". Esta é uma boa definição tanto para o gol de Neymar na derrota do Santos para o Flamengo quanto para o próprio jogo na Vila Belmiro pela 12.ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2011, que teve placar de 5 a 4. Vencedor do Prêmio Puskás, entregue pela Fifa ao tento votado como o mais bonito do ano, o gol de Neymar foi eleito pelos santistas como o mais bonito do clube no século XXI em enquete feita pelo Estadão.

Se qualquer jogo que tivesse Neymar de um lado e Ronaldinho Gaúcho do outro já chamaria atenção normalmente, o que dizer de um no qual o campeão da Copa de 2002 marca três gols, um time abre 3 a 0 e sofre o empate ainda no primeiro tempo, se tem pênalti sendo batido com cavadinha, que o goleiro defende e sai fazendo embaixadinhas para defender a provocação, além de um gol com falta batida por baixo da barreira e um gol eleito o mais bonito daquele ano no mundo?

No lance do gol, Neymar recebe a bola na ponta esquerda, tabela com o centroavante Borges (que havia marcado ambos os gols na até então vitória do Santos por 2 a 0), se movimenta para receber e avança até chegar perto da grande área. Então, usa as duas pernas para dar um drible na vaca em Ronaldo Angelim, e antes da chegada de dois marcadores, toca na saída do goleiro Felipe. Como as obras de arte são apreciadas melhor quando vistas em vez de descritas, relembre o gol:

Era o terceiro gol do Santos em 25 minutos de jogo; o Flamengo empatou antes do intervalo com Ronaldinho Gaúcho, Thiago Neves e Deivid - este último já havia perdido um gol feito quando ainda estava 2 a 0. O primeiro tempo também viu Elano tentar cobrar um pênalti com cavadinha, o goleiro Felipe defender e sair fazendo embaixadinhas para provocar o adversário. No segundo tempo, Neymar voltou a colocar o Santos à frente, o Flamengo empata com uma cobrança de falta por baixo da barreira de Ronaldinho Gaúcho - que também marca o gol da vitória rubro-negra aos 36 minutos da etapa final.

Se não foi suficiente para sair com os três pontos, o gol pelo menos levou Neymar a estrear no baile de gala da Fifa naquele ano. O brasileiro foi sucinto nas palavras ao receber o prêmio Puskás, no qual concorria com Messi e Wayne Rooney. "Estou feliz por participar e vencer. Foram tantos gols bonitos e estava concorrendo com dois craques que sou fã. Quero agradecer a Deus e desejar boa festa a todos", disse, acanhado, no palco no qual acabaria se tornando presença frequente nos anos seguintes.

Se o mundo já conhecia Neymar principalmente pelo título da Libertadores conquistado no mês anterior, ficou ainda mais claro o que aquele atacante de 21 anos era capaz de fazer e o quão longe poderia chegar.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSantos Futebol ClubeNeymar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.