Gol no fim tira o Guarani da lanterna

Com um gol do jovem Jonas, único jogador revelado no clube que começou a partida como titular, aos 44 minutos do segundo tempo, o Guarani amenizou a má fase ao vencer na noite desta terça-feira o Náutico, por 1 a 0, no Estádio Brinco de Ouro, em Campinas (SP). O resultado, no entanto, não foi o suficiente para tirar da zona do rebaixamento o time, que agora é 20.º colocado, com oito pontos. O Náutico é o 11.º, com 10 pontos."Foi de matar do coração", definiu o goleiro Jean, autor de grandes defesas durante a partida. Mesmo mais ofensivo do que de costume, o Guarani não criava chances de gol e bastaram 20 minutos para que a torcida começasse a protestar, principalmente contra o presidente José Luiz Lourencetti. O Náutico, tranqüilo, apenas aguardava o melhor momento para contra-atacar. Na melhor chance do jogo, Kuki acertou a trave do gol de Jean aos 24 minutos. O primeiro chute no gol do Guarani aconteceu apenas aos 39 minutos e ainda assim não exigiu muito do goleiro Nilson. Ao final da primeira etapa, o técnico Luiz Carlos Ferreira deixou o gramado irritado. "Quer chupar Coca-Cola, comer bolo, fazer tudo no campo? É preciso ter arquitetura tática", filosofou.A bronca no intervalo parecia ter surtido efeito, pois logo aos dois minutos Jonas sofreu pênalti. Mas o calvário continuou quando Alexandre Salles desperdiçou duas vezes a cobrança. Nilson defendeu a primeira, mas se adiantou. Na segunda, no mesmo canto, ele voltou a segurar, sem rebote. O lance abateu o time da casa, que diminuiu o ritmo novamente. Mas aos 44 minutos, Jonas acertou cabeçada e marcou seu terceiro gol na competição, tornando-se artilheiro do time.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.