Goleada faz argentinos se reanimarem com a seleção

Nesta sexta-feira, ao pé do Obelisco, às 10 horas, no primeiro minuto do jogo Argentina x Sérvia e Montenegro, três camelôs tentavam vender bandeiras argentinas a duras penas a 10 pesos (cerca de US$ 3, aproximadamente R$ 7) cada uma. Às 12h05, com seis inesperados gols argentinos desferidos ao longo das duas horas anteriores - e o clima de morno entusiasmo dos torcedores totalmente erradicado - os camelôs aproveitavam o crescente entusiasmo dos torcedores para inflacionar o valor, que elevou-se a 20 pesos (cerca de US$ 6,66, aproximadamente R$ 15). Às 12h30, no meio do delírio dos fanáticos que pulavam de alegria no centro portenho, o preço da bandeirinha já chegava a 30 pesos (US$ 10, cerca de R$ 24). Em frenesi com o resultado da seleção, os torcedores compravam as bandeiras com inflação de 200% acumulada em duas horas e meia e até esqueceram a pálida - e apertada - vitória que dias antes a seleção argentina havia conseguido contra a Costa do Marfim. Ao redor do Obelisco, cerca de 3 mil pessoas, incluídos vários turistas estrangeiros, aproveitaram o horário de almoço para celebrar a vitória. O festejo foi intenso, mas breve. Às 14h30 a festa já havia acabado e a cidade havia retornado à normalidade. Aos gritos, um torcedor fantasiado como Napoleão Bonaparte dos pés a cabeça, fazia apologia da seleção argentina e desafiava o time holandês, o próximo a se confrontar com a Argentina: ?Parabéns seleção! Agora quero que vocês me tragam tulipas da Holanda!?. O site do tradicional jornal La Nación afirmou que o desempenho da seleção argentina contra a Sérvia e Montenegro havia sido ?histórico?. Já o site do jornal Clarín destacou: ?Argentina é imparável?. Além disso, indicou que a seleção protagonizou ?uma festa de gols? e que agora ?convida a sonhar? com a chance de chegar à final da Copa. Segundo o jornal Olé, a Argentina goleou a Sérvia e Montenegro ?com um futebol luxuoso?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.