Goleada pode custar emprego de técnico

Em clima de muita frustração, a delegação do Juventude desembarcou em Caxias do Sul no início da noite desta segunda feira, depois da goleada por 7 a 0 imposta pelo Goiás, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro. Ainda atordoados pelo resultado de domingo, os dirigentes admitem mudanças na comissão técnica e o emprego do treinador Cristovam Borges corre sério risco. Nesta terça-feira a diretoria deverá realizar uma reunião de emergência para avaliar a situação do time e não está descartada a mudança no comando da equipe.O clima era muito ruim na chegada do jogadores e o treinador admitiu que não tinha explicações para a apatia do time na partida do Serra Dourada, quando o Juventude protagonizou o maior vexame de equipes gaúchas na competição nacional no últimos anos. Só encontra paralelo num 7 a 0 sofrido pelo Inter de Santa Maria, uma equipe de pequena expressão do Estado, frente ao Vasco, em 1982. O presidente do clube, Marcos Cunha Lima, e o vice-presidente de esportes, Iguatemy Ferreira Filho, que estavam com a delegação em Goiânia, não se mostram favoráveis à idéia de substituir o técnico, mas as pressões de outros dirigentes e conselheiros influentes podem determinar uma mudança de posição.REFORÇOS - No próximo domingo, o Juventude enfrenta o Guarani, no Estádio Alfredo Jaconi. Há uma preocupação em relação a reação da torcida se a equipe não apresentar um bom futebol. Para este jogo, Cristóvão poderá contar com o zagueiro Neguete, ex- Atlético-MG, contratado na semana passada. Também é esperada a presença do zagueiro Índio, ex-Palmeiras, que deverá definir a sua vinda para o Juventude nos próximos dias. Outra possibilidade é a volta do volante Fernando, que ainda não atuou neste Brasileirão por estar lesionado. Mesmo com esses jogadores, o clube apresenta carências nas laterais e ataque, já que os atuais atletas não estão satisfazendo plenamente as exigências.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.