Goleada salva emprego de Bonamigo

Como há 15 dias, nos 5 a 2 sobre o Vasco, a virada do Palmeiras sobre o Botafogo, neste domingo, salvou o emprego do técnico Paulo Bonamigo. O filme se repetiu de maneira quase idêntica. No Palestra Itália, contra um adversário alvinegro e carioca, Marcinho marcou três vezes após um péssimo primeiro tempo, dele e da equipe. Pedrinho foi novamente decisivo, em mais um fato repetido entre as duas vitórias. "A gente tem de jogar como nesse segundo tempo, como foi contra o Vasco", disse o meia, que empatou cobrando falta e sofreu o pênalti do terceiro gol. Marcinho, o artilheiro da noite, que chegou a oito gols no Campeonato Brasileiro, resumiu o alívio do time. "O Palmeiras está crescendo e merece vencer", dasabafou. "Fico feliz pela vitória, por ter feito os gols: a gente treina para isso." Garantido até o clássico de domingo, contra o rival Corinthians, Bonamigo terá muito trabalho agora para corrigir os erros do time repetidos no primeiro tempo. "As falhas o professor Bonamigo tem de corrigir para o jogo contra o Corinthians", disse Marcinho. O atacante ainda explicou a inusitada comemoração do terceiro gol, quando saiu ajoelhado em direção à torcida: era uma homenagem ao baixinho Juninho. "Eu chamo ele de minicraque e, se fizesse um gol, ia fazer a homenagem." Juninho não gostou muito e derrubou o minicraque, ainda no meio da festa, com um empurrão pelas costas, com o pé. A virada do segundo tempo foi também a reconquista do apoio de parte da torcida. No intervalo, perdendo por 1 a 0, o time desceu para o vestiário sob vaias e um único grito: "Leão, Leão, Leão", num pedido, vindo das sociais, pela demissão de Paulo Bonamigo e a contratação de Emerson Leão para seu lugar. Nas arquibancadas, a maior parte da torcida palmeirense cumpriu a promessa de dar trégua ao time, apesar da má atuação no primeiro tempo. Já os derrotados botafoguenses saíram de campo revoltados com o juiz Marcio Resende de Freitas, que teria ofendido Túlio após marcar o segundo pênalti para o Palmeiras. "Perder desse jeito não dá, com dois gols de pênalti. O juiz faltou ao respeito e ofendeu o Túlio, eu nunca tinha visto isso dentro do futebol. Alguns jogadores do Palmeiras até riram", afirmou o experiente atacante Guilherme. No lance, Túlio respondeu ao árbitro e foi expulso. No vestiário, o presidente do clube, Bebeto de Freitas, cogitou dar queixa contra Marcio Resende pela suposta ofensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.