Goleador inglês vende medalha da Copa

Durante muitos anos, Geoff Hurst guardou em um banco a medalha de campeão do mundo que fanhou em 1966. O goleador da final contra a Alemanha temia que o troféu fosse roubado, se o mantivesse em casa. Mas, em breve, a recordação da façanha poderá ser vista por quem visitar o museu do West Ham, um dos mais tradicionais times londrinos. Hurst anunciou hoje que aceitou oferta da equipe que defendia na época daquela Copa. Com isso, a medalha fará parte do acervo que está sendo montado na sede do clube. A "persuasão" do West Ham podem ser os US$ 225 mil que seus dirigentes teriam pago para o antigo jogador. Hurst desconversa a respeito de cifras e prefere falar da preservação da história da maior proeza do English Team. "O importante é que as futuras gerações poderão ver a medalha", observou. "Pensei que um dia iria deixá-la como herança para minhas filhas. Mas não haveria meio de dividi-la", brincou o autor de três gols ingleses. O West Ham conseguiu, algum tempo atrás, comprar a medalha e troféus da coleção particular de Bobby Moore, outro craque que fazia parte do elenco em 66. Falta acertar com Martin Peters, autor do gol que fechou a vitória por 4 a 2 sobre a Alemanha e que também era do clube.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.