Goleiro de Togo confirma mais duas mortes após ataque

Jogador revela que um assistente técnico da equipe e o porta-voz não resistiram aos ferimentos e morreram

AE, Agencia Estado

09 de janeiro de 2010 | 13h42

O ataque ao ônibus da delegação de Togo na sexta-feira causou mais duas mortes, informou o goleiro da seleção africana, Kossi Agassa, neste sábado. Em entrevista a uma rádio francesa, o jogador revelou que um assistente técnico da equipe e o porta-voz não resistiram aos ferimentos e morreram.

Veja também:

link Adebayor desiste de disputar a Copa Africana de Nações

link Goleiro de Togo confirma mais duas mortes após ataque

link Apesar de ataque, organizadores mantêm Copa Africana

link Fifa e Confederação Africana condenam ataque a ônibus

linkApós ataque, clubes cobram segurança na Copa Africana

linkJogadores propõem boicote à Copa Africana de Nações

Dessa forma, o número de mortes no atentado na fronteira de Angola chega a três. Ainda na sexta-feira, um angolano, que dirigia o veículo da delegação, morreu no local do ataque. As baixas relatadas pelo goleiro togolês ainda não foram confirmadas pelas autoridades angolanas.

O jogador, que defende o time francês Istres, também informou que o goleiro reserva da seleção, Kodjovi Obilalé, está gravemente ferido e precisou ser levado para a África do Sul para receber tratamento.

O ônibus da delegação togolesa foi metralhado na sexta-feira quando cruzava a fronteira do Congo com a província de Cabinda, em Angola, país que sediará a Copa Africana de Nações a partir deste domingo. Informações iniciais apontaram que o ataque resultou em nove feridos e um morto.

Por causa do atentado, jogadores do Togo e clubes europeus, que terão jogadores no torneio, mostraram preocupação com a segurança em Angola. Apesar das manifestações, os organizadores garantiram que a competição terá início normalmente neste domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.