Juan Medina / Reuters
Juan Medina / Reuters

Goleiro do Ajax, Onana revela que clube já deixou de contratá-lo por ele ser negro

Arqueiro de 23 anos comentou sobre racismo que já sofreu e ainda sofre em entrevista a jornal holandês

Redação, Estadão Conteúdo

31 de dezembro de 2019 | 18h04

André Onana, goleiro do Ajax, falou sobre o racismo que existe no futebol e como isso o afeta e já o afetou durante sua carreira. O arqueiro, camaronês, está na equipe holandesa desde 2015, sendo titular no time principal desde a temporada 2016-17 e revelou que já houve um clube que desistiu de contratá-lo por causa da cor de sua pele.

"No caminho me dei conta: não é fácil para um goleiro negro chegar ao lugar mais alto. No meu primeiro ano no Ajax chegamos na final da Liga Europa. Depois dessa final, houve conversas com um clube interessado, mas esse clube decidiu não me contratar, porque um goleiro negro seria difícil para seus torcedores. Então não foi porque pensaram que eu não era bom o suficiente. Considero um elogio", afirmou o arqueiro de 23 anos ao jornal holandês Het Parool.

"O racismo está aí, tenho que lidar com isso em quase todos os jogos fora de casa. Mas não estou falando disso. Tenho orgulho de ser negro. Não vejo diferença entre branco e negro porque não há diferença alguma. Se você acha que há diferença, esse problema é seu", contou.

Onana afirmou ainda que não acha correto deixar o campo quando há ofensas racistas na arquibancada, já que esse seria o efeito desejado pelos torcedores que cometeram o abuso. Ele defendeu que a melhor resposta a ser dada é dentro de campo.

Onana é considerado um arqueiro promissor no futebol. No Ajax, foi campeão dos três torneios nacionais da temporada 2018-19 (Campeonato Holandês, Copa da Holanda e Supercopa), além de ter chegado à final da Liga Europa, em 2017, e na semifinal da Liga dos Campeões, em 2019, em nível continental.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolAjaxracismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.