Andrew Mechini / AFP
Andrew Mechini / AFP

Goleiro egípcio supera Mondragón e se torna o mais velho a atuar em uma Copa

Essam El Hadari tem 45 anos e está na seleção egípcia desde 1996

Estadão Conteúdo

25 Junho 2018 | 11h02

Já eliminada da Copa do Mundo com uma rodada de antecipação, a seleção egípcia ao menos cravou seu nome na história da competição na Rússia de alguma forma. Nesta segunda-feira, diante da Arábia Saudita em Samara, viu seu goleiro Essam El Hadary se tornar o jogador mais velho a atuar em uma partida na história do Mundial, aos 45 anos.

+ Após polêmica, Egito divulga escalação sem Salah antes de confirmá-lo em duelo

+ Após gol em derrota do Egito, Salah deixa estádio em silêncio

Justamente pelo fato de já ter decretada a eliminação, o técnico Héctor Cúper decidiu escalar El Hadary nesta segunda, até como uma forma de homenageá-lo. O treinador argentino, então, sacou o titular El Shemany, que até teve boa atuação nos dois primeiros jogos, e escalou o veterano.

El Hadary chegou para este confronto com 45 anos e 161 dias. Com isso, superou com folgas o antigo dono do recorde, o também goleiro Faryd Mondragón, que entrou aos 38 minutos do segundo tempo da goleada de sua Colômbia sobre o Japão, por 4 a 1, na Copa de 2014, no Brasil. Na época, Mondragón tinha 43 anos e três dias, superando o camaronês Roger Milla, que atuou com 42 anos no Mundial dos Estados Unidos, em 1994.

 

São mais de duas décadas a serviço da seleção egípcia para El Hadary, que estreou com as cores do país em 1996. Para se ter uma ideia da longevidade do goleiro, um de seus companheiros de equipe na Copa do Mundo da Rússia, o atacante Ramadan Sobhi, só nasceria um ano depois, em 1997.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.