Goleiro húngaro em 3 Copas, Grosics morre aos 88 anos

Gyula Grosics, goleiro da Hungria na era de ouro da seleção do país, morreu nesta sexta-feira aos 88 anos de idade. A morte foi confirmada pela sua família e pela Federação Húngara de Futebol. Ele sofreu três ataques cardíacos e teve outras doenças nos últimos anos, sendo que estava hospitalizado nesta semana depois de ter sido submetido a exames de rotina.

AE-AP, Agência Estado

13 Junho 2014 | 10h05

Lendário jogador da história do futebol húngaro, Grosics era chamado de "Pantera Negra" por causa do uniforme preto que usava e por sua elasticidade. Ele defendeu o time nacional em 86 partidas, entre 1947 e 1962, período em disputou as Copas do Mundo de 1954, 1958 e 1962 como titular do gol.

Em 1954, ele integrou a seleção húngara que é considerada a maior do país em todos os tempos. Naquele ano, os húngaros despontaram como favoritos ao título do Mundial realizado na Suíça, mas acabaram derrotados na final pela Alemanha Ocidental, que ganhou por 3 a 2, de virada, em um feito que ficou conhecido como o "Milagre de Berna", em referência à cidade que abrigou a decisão. Na ocasião, com apenas oito minutos de jogo, os húngaros já venciam por 2 a 0, mas sofreram a inesperada reação. Inesperada até pelo fato de que na primeira fase massacraram os alemães por 8 a 3.

Também com a camisa da seleção húngara, Grosics foi campeão olímpico em 1952 nos Jogos de Helsinki, na Finlândia, dois anos antes de fazer parte da equipe que contava com o astro Ferenc Puskas e outros nomes como Nándor Hidegkuti, Sándor Kocsis, József Bozsik e Zoltán Czibor na Copa de 1954. Neste Mundial, o Brasil foi eliminado justamente pela Hungria ao cair por 4 a 2 e ser dominado pelo poderoso rival nas quartas de final.

Mais conteúdo sobre:
futebolHungriaGrosics

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.