Carl Recine/Reuters
Carl Recine/Reuters

Goleiro revela pedido de desculpas de Rooney por pênalti controverso

Thorsten Stuckmann, goleiro do Preston, da terceira divisão, revela que craque pediu perdão após 'cavar' pênalti no final do jogo

Sam Holden, REUTERS

18 de fevereiro de 2015 | 12h32

O capitão do Manchester United, Wayne Rooney, pediu desculpas pela maneira que ganhou o pênalti controverso na vitória por 3 a 1 com o time da terceira divisão Preston North End na Copa da Inglaterra na segunda-feira, disse o goleiro do Preston, Thorsten Stuckmann.

O atacante da seleção inglesa caiu após tentar passar pelo goleiro adversário e converteu o pênalti aos 43 do segundo tempo e garantiu a próxima partida em casa contra o Arsenal.

O replay mostrou que não houve contato entre Rooney e Stuckmann, levando a debates sobre as regras e fazendo com que o técnico da seleção inglesa, Roy Hodgson, defendesse publicamente o capitão Rooney.Stuckmann revelou que o jogador, de 29 anos, admitiu no momento que sua queda foi oportunista.

"Após o jogo Rooney me contou: 'Desculpa, foi minha chance de conseguir um pênalti. Eu tive que usá-la'", disse o goleiro nesta quarta-feira segundo o jornal The Sun.

"Eu digo isso claramente: não houve pênalti. Eu também acredito que se a situação tivesse acontecido da maneira contrária, um de nossos atacantes contra o goleiro do United, o juiz não teria dado pênalti. Eu não tenho dúvidas sobre isto", completou Stuckmann.

O técnico do Preston, Simon Grayson, defende a decisão do juiz de dar o pênalti a Rooney na derrota de segunda-feira, dizendo que o atacante não se jogou apesar de não ter acontecido contato.

"Não estou dizendo que não foi pênalti. Estou dizendo que não houve contato. Ele não se jogou. Ele tentou sair da frente e tomou uma ação evasiva", disse Grayson. Onze vezes campeão da Copa da Inglaterra, o Manchester United, recebe o Arsenal na sexta rodada, no dia 9 de março.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.