Gols de Nilmar não mudam planos de Parreira para Copa

Os quatro gols de Nilmar na vitória do Corinthians por 5 a 1 sobre o Mogi Mirim, no domingo, não vão ter influência na definição da lista final dos convocados da seleção para a Copa do Mundo. O técnico Carlos Alberto Parreira gosta do futebol de Nilmar e está certo de que o atleta terá um futuro promissor. Mas, para que ele seja relacionado entre os 23 do Mundial, seria preciso que seus dois adversários diretos e principais candidatos na disputa por uma vaga no ataque sofressem algum revés ? uma contusão grave ou uma queda brusca de rendimento. Ricardo Oliveira, do Bétis, e Fred, do Lyon, estão na briga pela vaga. O primeiro, em desvantagem, depois que sofreu uma lesão no joelho em novembro, da qual está ainda em fase de recuperação. Ricardo Oliveira só deve voltar a atuar normalmente no final de março ou início de abril. Resta saber se conseguirá readquirir forma física e ritmo de jogo até 15 de maio, data prevista para o anúncio dos 23 jogadores brasileiros que vão tentar o sexto título mundial da seleção, na Alemanha. O atacante do Bétis era o favorito para a quarta vaga de atacante da seleção e vinha marcando presença no grupo nas últimas convocações de Parreira. Desde a contusão, porém, passou o bastão para Fred, por quem o técnico da seleção tem admiração. ?Ele é ótimo finalizador, se desloca com facilidade, joga com inteligência?, disse Parreira, sobre o atacante do Fred. Como Fred está na lista para o amistoso com a Rússia, em 1º de março, na última convocação antes da lista da Copa, é muito improvável que Nilmar consiga demover Parreira de trocá-lo pelo ex-atacante do Cruzeiro ? isso, na hipótese também de Ricardo Oliveira voltar muito aquém do que apresentava.De qualquer forma, resta a Nilmar um consolo, que pode até soar como esperança: ele tem um admirador de peso na seleção, o coordenador Zagallo. O auxiliar de Parreira, sempre que pode, não deixa dúvidas de que, se a definição dependesse dele, Nilmar seria o nome para fechar a lista de atacantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.