Arquivo/AE
Arquivo/AE

Gols do Palmeiras somem sob comando de Muricy Ramalho

Em seis jogos com o treinador, clube teve média de 0,83 gol por partida; com Jorginho, média era de 2,14

André Rigue, do estadao.com.br,

21 de agosto de 2009 | 13h21

Balançar as redes. Este é o novo problema do Palmeiras no Campeonato Brasileiro. Sob comando de Muricy Ramalho, a média de gols marcados pela equipe caiu drasticamente. De um dos ataques mais positivos, o alviverde passou a ter uma média de menos de um gol por jogo. Com o novo técnico, foram seis jogos e apenas cinco gols, média de 0,83 por partida.

 

Veja também: 

linkMuricy volta a sofrer com desfalques no Palmeiras

mais imagens Palmeiras lança terceira camisa para 2009, de cor azul

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Sob comando de Vanderlei Luxemburgo, o Palmeiras disputou sete jogos no Brasileirão, fez 11 gols - média de 1,57 por jogo. Com Jorginho, também foram disputadas sete partidas. O time teve seu melhor desempenho no setor ofensivo e balançou as redes por 15 vezes, média de 2,14.

 

 TREINADOR  JOGOS  MÉDIA DE GOLS
 Luxemburgo  7

                  1,57

 Jorginho  7  2,14
 Muricy  6  0,83

O presidente Luis Gonzaga Belluzzo comentou o mau momento do ataque. "Temos de caminhar com calma. Trata-se de uma fase ruim. O grupo tem qualidade e logo voltará a vencer. Não tenho dúvidas de que brigaremos pelo título do Brasileirão. O elenco palmeirense é de grande qualidade."

 

O Palmeiras tem Obina, Ortigoza, Daniel Lovinho, Robert e Lenny como atacantes. Belluzzo está atrás de Vagner Love, mas considera a negociação com o CSKA complicada. "Fizemos a nossa proposta e estamos aguardando por uma resposta dos russos. A conversa ainda não foi encerrada."

 

Quem também falou da má fase do ataque palmeirense foi Diego Souza. "Existem dificuldades, não posso negar. O Palmeiras está na frente no campeonato e os rivais reforçaram a marcação. Já erramos o que poderíamos, agora temos de voltar a marcar gols para vencer."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.