Gols não garantem camisa 9 para William

Quando o treino físico desta segunda-feira pela manhã terminou, três amigos passaram bons momentos sentados no gramado, no meio do campo do CT Rei Pelé. Diego, Robinho e William conversaram bastante, longe de todos, fazendo planos para as próximas partidas em que o trio estará completo. Os três subiram praticamente juntos no profissional do Santos, mas o centroavante acabou ficando para trás, apenas assistindo à evolução da dupla Diego-Robinho. William espera ter aprendido a lição e tenta agarrar a nova chance que o técnico Emerson Leão está dando. Nos dois últimos jogos, fez bem a lição de casa: marcou cinco gols e teve uma boa movimentação no ataque. Isso, entretanto, não é suficiente para garantir em definitivo a condição de centroavante titular do Santos. ?Ainda não me sinto como dono da camisa 9, mas estou lutando bastante para que isso ocorra", disse o jogador. Leão elogiou o desempenho nas últimas partidas, mas, crítico como sempre, fez uma ressalva. ?Ele se movimentou bastante, por isso cansou e foi substituído nos dois jogos." O treinador acompanha de perto essa fase de William e cuida para que excessos possam prejudicar sua evolução. ?Dei várias duras no William, mas como incentivo para que ele cresça", completou o técnico, que nesta segunda-feira levou uma bola de vôlei para o centroavante. É que numa entrevista no sábado William havia dito que assistira a uma palestra do técnico Bernardinho e guardou um ensinamento. ?Nunca sair do jogo com o pensamento de que poderia ter dado mais, mas a sensação de que deu tudo na partida." Ele comentou que fez isso nas últimas partidas.O centroavante sabe que está titular, mas ainda não garantiu a camisa 9. ?O professor não quer um jogador fixo e manda a gente se movimentar muito e fazer a marcação no campo do adversário, pois é com essa pressão que os gols acabam saindo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.