Gols perdidos preocupam atacantes do Cruzeiro

Os atacantes do Cruzeiro admitiram que o time não pode mais perder tantas chances de gol como aconteceu na quinta-feira, quando o time venceu a Universidad de Chile por 1 a 0, no Mineirão, e confirmou a classificação para enfrentar o São Paulo nas quartas-de-final da Libertadores.

AE, Agencia Estado

15 de maio de 2009 | 12h50

"Pelo tanto de gols que a gente perdeu, poderia ter sido um placar mais elástico", afirmou o atacante Kléber, que destacou a atuação do goleiro Miguel Pinto. "Acho que a bola mais fácil entrou, as difíceis ele pegou todas. Tem dia que entram todas, e tem dia que não entra nenhuma", completou.

Thiago Ribeiro enfatizou que a forte marcação do time chileno complicou a vida do Cruzeiro. "Dificulta quando o adversário marca em cima, não deixa sair jogando. Para uma equipe que gosta de jogar com a bola no pé, técnica como a nossa, tem que dar chutão e aí complica para todo mundo", explicou o jogar, que promete uma atuação melhor no jogo de domingo, contra o Náutico, no Recife.

Para o técnico Adilson Batista, o jogo valeu pela persistência da equipe, que podia até perder por 1 a 0, mas não ficou satisfeita enquanto não conseguiu a vitória. "Controlamos o jogo e administramos uma classificação mais que merecida contra um grande adversário, que merece ser elogiado", destacou o técnico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.