Nilton Fukuda/Estadão - 14/06/2013
Nilton Fukuda/Estadão - 14/06/2013

Goteiras no Mané Garrincha não são problema, diz COL

Gerente do Comitê Organizador disse que toda casa tem goteiras e basta ir ao local para resolver

Bernardo Caram, Agência Estado

22 de janeiro de 2014 | 12h13

BRASÍLIA - Um mês após o governo do Distrito Federal ter solicitado que o consórcio responsável pelas obras do Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília, realizasse vistoria na sua cobertura, que apresentou goteiras e molhou torcedores em dias de jogo, o gerente de comunicação do Comitê Organizador Local (COL), Nelson Ayres, afirmou que o fato não representa um problema para o local que será palco de sete jogos da Copa do Mundo.

Em conversa com jornalistas antes de uma visita técnica feita pela Fifa nesta quarta-feira, Ayres disse que toda casa tem goteiras e basta ir ao local para resolver. Ele disse ainda que problema haveria se, por exemplo, faltasse uma escada em alguma área prevista no projeto. Em coletiva de imprensa, o chefe do departamento de operações da entidade que controla o futebol mundial, Chris Unger, foi surpreendido pela informação e disse não estar sabendo de nenhum vazamento.

A arena, que foi construída do zero após a demolição do antigo Estádio Mané Garrincha e foi inaugurada em maio de 2013, é a mais cara do Brasil. Inicialmente com um custo estimado em R$ 745 milhões, chegou a um total de R$ 1,4 bilhão. Desse valor, R$ 150 milhões ainda serão gastos em "reformas e ampliação".

De acordo com o gerente geral de integração operacional do COL, Tiago Paes, os vazamentos não são preocupação. "A grande vantagem de o estádio estar pronto é podermos observar esses pequenos problemas", disse.

Segundo o secretário extraordinário da Copa no Distrito Federal, Cláudio Monteiro, os reparos serão finalizados em 30 dias e é certo que o problema não se repetirá. "Vocês vão encontrar um estádio lindo, preservado e com um gramado extraordinário", afirmou.

VISTORIA

A vistoria desta quarta-feira, feita por cerca de 50 pessoas, não tratou de questões estruturais e físicas do prédio. Nela, foram abordadas estratégias operacionais para os dias de jogo, como fluxo de torcedores, alimentação, segurança, estrutura de transmissão e atendimento médico de emergência.

A inspeção, que foi a quarta desse tipo em Brasília, já passou pelas seis cidades que estão com estádios prontos - Rio de Janeiro, Fortaleza, Recife, Salvador e Belo Horizonte, além da capital federal. Os outros seis estádios que vão sediar jogos da Copa serão vistoriados na segunda quinzena de março.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.