Guido Kirchner/AP
Guido Kirchner/AP

Governo alemão diz que ataque contra Borussia Dortmund é 'repulsivo'

Ministro do Interior vai ao estádio nesta quarta 'em sinal de solidariedade'

EFE

12 de abril de 2017 | 10h19

O governo alemão qualificou nesta quarta-feira de "ato repulsivo" as três explosões ocorridas na terça durante a passagem do ônibus que levava os jogadores do Borussia Dortmund e desejou uma pronta recuperação a Marc Bartra, ferido pelos estilhaços.

A chanceler alemã, Angela Merkel, recebeu "horrorizada" a notícia do atentado, declarou o porta-voz do Executivo, Steffen Seibert, em uma coletiva de imprensa na qual informou também que o ministro do Interior, Thomas de Maizière, comparecerá "em sinal de solidariedade" na partida de ida das quartas de final da Liga de Campeões entre Borussia Dortmund e Monaco, que foi adiada depois do ocorrido e remarcada para esta quarta.

Seibert expressou "alívio" do governo perante o fato de que não aconteceu "algo ainda pior". Além disso, disse que a chanceler entrou em contato com a diretoria do Borussia Dortmund e desejou ao clube "o melhor". Merkel elogiou também os torcedores e policiais pela "serenidade", ao mesmo tempo que assegurou que os organismos encarregados da investigação farão "todo o possível para esclarecer e encontrar os autores".

O diretor administrativo do clube alemão, Hans-Joachim Watzke, havia informado minutos antes na página oficial da equipe sobre sua "extensa conversa" com Merkel. A chanceler qualificou de "mensagem positiva" o fato de a equipe não sucumbir ao terrorismo e aceitar jogar "diante desta difícil situação", aponta o comunicado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.