Governo brasileiro condecora colombianos envolvidos no resgate do voo da equipe de Chapecó

'O Brasil recebe hoje nossos irmãos colombianos de braços e de corações abertos', diz Temer

Erich Decat, Brasília, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2016 | 19h27

Em cerimônia realizada na tarde desta sexta-feira no Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer condecorou militares, agentes públicos e civis colombianos que participaram do resgaste do voo da equipe do Chapecoense, que caiu na madrugada do último dia 29 nas proximidades da cidade de Medellin.

“Quero dizer que o Brasil recebe hoje nossos irmãos colombianos de braços e de corações abertos. O lamentável e terrível acidente com o avião que transportava a equipe da chapecoense enlutou o Brasil... de norte ao sul nos unimos na solidariedade aos sobreviventes e aos familiares da vítimas”, afirmou Temer. 

No evento, Temer entregou às personalidades civis e militares envolvidos no resgaste a Ordem do Mérito da Defesa. Também foi distribuída a Ordem de Rio Branco, condecoração concedida a brasileiros e estrangeiros em reconhecimento a serviços prestados ao Brasil.

“As condecorações hoje outorgadas procuram simbolizar os laços de amizade que já eram fortes, mas que agora ficam ainda mais fortes”, ressaltou o presidente. 

Entre os condecorados estava Johan Alexis Ramírez Castro, de 15 anos. A aeronave com a equipe da Chapecoense caiu na região da fazenda da família de Castro e ele foi um dos responsáveis por levar as equipes de busca até o local da tragédia. 

Presente na cerimônia, o ministro da Defesa, Raul Jugmann, ressaltou que em conversa realizada hoje com a Secretária do Governo de Antioquia, Victoria Eugenia Ramírez Vélez, também tomou conhecimento de outras ações de solidariedade dos colombianos. 

“Ela nos dizia que a certa altura precisavam de tradutores porque chegavam equipes, famílias e muitos não entendiam o espanhol e outros o português. Eles colocaram nas redes um pedido de voluntários para fazer tradução. No dia seguinte, mil voluntários se apresentaram. Fizeram um outro pedido que foram de ajuda psicológica para as famílias, traumatizadas, vivendo com aquela tragédia. Chegaram quase dois mil profissionais”, disse Jungmann.

No ato, o ministro de Relações Exteriores, José Serra, citou o escritor Gabriel Garcia Márquez, para falar da ajuda e solidariedade prestada pelos colombianos. 

"O Gabriel Garcia Máquez escreveu que o amor se faz maior e mais nobre na calamidade. Ele tinha toda razão a esse respeito. Nós tivemos nas últimas semanas uma demonstração de quão verdadeiro é esse pensamento. Foi em meio a tragédia do voo da chapecoense que a solidariedade e a compaixão do povo colombiano emocionou a todos nós brasileiros”, disse Serra. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.