Marcos Corrêa/PR
Marcos Corrêa/PR

Governo desiste de assinar MP que permitiria flexibilizar contratos de jogadores

Documento permitiria aos times firmar contratos com os atletas por 30 dias - pela Lei Pelé, o vínculo mínimo é de 90 dias

Emilly Behnke, Julia Lindner e Jussara Soares, Estadão Conteúdo

17 de junho de 2020 | 16h08

O governo federal desistiu de editar uma medida provisória que permitiria a flexibilização dos contratos firmados pelos clubes com os jogadores de futebol. A assinatura do texto estava prevista para esta quarta-feira, na agenda do presidente Jair Bolsonaro.

O documento seria assinado durante a cerimônia de posse do novo ministro das Comunicações, Fábio Faria. A MP permitiria aos times firmar contratos com os atletas por 30 dias - pela Lei Pelé, o vínculo mínimo é de 90 dias.

A estratégia do governo é priorizar o projeto que tramita na Câmara envolvendo Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro, o ProFut. A proposta suspende o pagamento de dívidas dos clubes durante o período de calamidade pública relacionada ao novo coronavírus. A matéria está na pauta de votação da Casa desta quarta-feira.

"Estava na agenda (a assinatura da MP), mas só que como a gente vai votar o (projeto do) Profut agora lá na Câmara, ia parecer uma competição de pautas", explicou o líder do governo na Câmara, deputado Vitor Hugo (PSL-GO). "Se algo essencial não conseguir ser tratado no Profut, aí a gente volta atrás com a medida provisória", acrescentou.

Segundo o deputado, o projeto já foi amplamente debatido e assinar a medida agora traria a impressão de que o governo estava "cozinhando a Câmara". "A gente ficou tentando votar o Profut por três semanas e, na verdade, já estava discutido há quase dois meses", disse.

A cerimônia de posse de Faria foi prestigiada pelo presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, e pelos jogadores Felipe Melo, do Palmeiras, e Alexandre Pato, do São Paulo. Eles foram cumprimentados nominalmente por Bolsonaro em sua fala. O chefe do Executivo defendeu que as torcidas se unam pela "democracia e liberdade do País". Desde o início de junho, integrantes de torcidas organizadas têm feito atos contra o governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.