Gabriela Bilo/Estadão
Gabriela Bilo/Estadão

Governo do DF consegue liberação para sediar jogos de Santos, Flamengo e Palmeiras

Recurso garante que capital federal não vai retomar lockdown e, assim, partidas de futebol estão liberadas

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2021 | 19h48

O governo do Distrito Federal (DF) conseguiu no fim da tarde desta quarta-feira a liberação para a retomada das atividades e para a realização de eventos esportivos. A desembargadora Ângela Catão, do Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região, acatou recurso feito pelo governo local após a juíza Kátia Balbino, da Justiça Federal, ter determinado a volta do lockdown. Com esse novo desdobramento, os três jogos de futebol que estão previstos em Brasília para abril pela Copa Libertadores, Supercopa do Brasil e Recopa Sul-Americana estão mantidos.

As três partidas previstas entre os dias 11 e 14 de abril envolvem Santos, Palmeiras, Flamengo e mais os times argentinos do Defensa Y Justicia e o San Lorenzo. Os clubes e mais a a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) e a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) aceitaram levar os confrontos para a capital federal para evitar a indefinição existente em São Paulo sobre a liberação para realizar atividades esportivas coletivas.

Os jogos em Brasília estavam sob suspense porque a juíza da Justiça Federal havia determinado que Brasília voltasse a ter lockdown enquanto não apresentasse melhores condições tanto na ocupação de leitos de UTI em hospitais púbicos, como na diminuição de filas. Na decisão emitida nesta quarta, a desembargadora do TRF rebateu esse argumento e liberou que a capital federal não retomasse medidas rígidas para conter a pandemia.

A desembargadora justificou na análise que a liminar feita pela Justiça Federal atrapalhava o plano de Brasília em voltar aos poucos às atividades normais. "(A liminar) dificulta o planejamento que compete ao Distrito Federal para a retomada controlada das atividades econômicas, com prejuízo – inclusive à própria saúde – da população mais vulnerável, que, no mais das vezes, não possui reserva financeira e depende do trabalho diário para garantia de sua subsistência", escreveu.

Em 11 de abril, Flamengo e Palmeiras vão decidir a Supercopa do Brasil. Dois dias depois, será a vez de o Santos receber o San Lorenzo pela partida de volta da fase prévia da Copa Libertadores. No dia seguinte, novamente o Palmeiras entra em campo, mas será para receber o Defensa Y Justicia, pela Recopa Sul-Americana.

Na segunda-feira, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB) havia liberado o retorno de várias atividades do comércio e autorizado a realização das atividades esportivas. Inclusive o próprio Campeonato Brasiliense recomeçou nesta quarta-feira. O plano dele é até mesmo que a partida pela Supercopa do Brasil reúna 7 mil pessoas. Os ingressos seriam destinados somente a profissionais de saúde já vacinados contra a covid-19. A ideia é permitir a entrada de médicos e enfermeiros como forma de agradecimento ao empenho durante o combate à doença.

Santos e Palmeiras recorreram à Brasília para sediar as partidas diante da indefinição sobre o Estado de São Paulo. A região está sem poder receber atividades esportivas coletivas até dia 11 de abril, como medida de prevenção determinada pelo governador João Doria (PSDB). Porém, os clubes preferiram recorrer a uma outra cidade para evitar problemas de últimas hora com uma possível prorrogação do fase emergencial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.