Natacha Pisarenko| AP
Natacha Pisarenko| AP

Governo intervém, e Argentina pode ficar fora da Copa América

Presidente Mauricio Macri cancela tumultuada eleição para a presidência da AFA e empurra escolha para daqui a 90 dias

Estadão Conteúdo

31 de maio de 2016 | 12h13

Presidente do Boca Juniors por mais de uma década, entre 1995 e 2007, o presidente da Argentina, Mauricio Macri, resolveu intervir na tumultuada eleição para a presidência da Associação de Futebol Argentino (AFA), adiando o pleito, que deveria acontecer em 30 de junho, para daqui a 90 dias úteis (6 de outubro). O prazo pode ser prorrogado por mais 90 (15 de fevereiro de 2017).

Macri estava numa "sinuca de bico". A juíza federal María Servini de Cubría, que investiga o financiamento do Fútbol Para Todos, programa estatal do governo Cristina Kirchner, havia solicitado que o governo interviesse na AFA para evitar uma crise financeira e institucional ainda maior.

Ao mesmo tempo, o presidente sabe que a Fifa não admite interferência de governos na gestão das federações nacionais de futebol. O próprio Macri teria conversado com o presidente da Fifa, Gianni Infantino, por videoconferência, para entender as consequências da ação. Antes, o atual responsável pelo Fútbol Para Todos, Fernando Marín, viajou a Zurique para falar pessoalmente com Infantino.

Após essas conversas, a decisão política foi a Inspeção Geral de Justiça (IGJ) suspender as eleições e nomear dois "supervisores" para acompanhar o trabalho da AFA por 90 dias, prorrogáveis até fevereiro. Foram nomeados o advogado Luis Tozzo e a contadora Catalina Dembitsky, que farão uma auditoria.

A pedido da juíza, desde junho três inspetores federais acompanham o fluxo do dinheiro provido pelo governo federal por meio do Fútbol Para Todos. Esses inspetores, ao longo do último ano, encontraram uma série de irregularidades, o que teria feito Cúbria pedir pela intervenção política. O argumento oficial é o seguinte: "Irregularidades administrativas e econômicas".

Os dirigentes da AFA não aceitaram nada bem a interferência e, já na noite de segunda-feira, enviaram carta à Fifa e à Conmebol informando do ocorrido. Para esta terça-feira está marcada uma reunião do Comitê Executivo da entidade argentina e a expectativa é a de que se discuta a saída da seleção de Messi da Copa América Centenário e do Boca Juniors da Copa Libertadores em forma de protesto.

"Entendemos que esta medida interrompe um processo eleitoral e vamos avisar a Conmebol e a Fifa para que se manifestem com relação à aceitação pelo seus estatutos. Amanhã (terça), o Comitê Executivo decidirá sobre a seleção, se vai pedir que volte (dos Estados Unidos)", disse Damián Dupiellet, secretário-executivo da AFA, em entrevista à radio La Red. "Vamos esgotar todas as medidas administrativas. Se não tivermos respostas, vamos à via judicial", afirmou ele ao jornal Clarín.

A decisão do governo Macri tem um forte viés político, também. Só há dois candidatos oficiais à presidência da AFA: o azarão Claudio Tapia, presidente de pequeno Barracas Central e segundo vice-presidente da entidade, e o favorito Hugo Moyano, presidente do Independiente e poderoso líder do sindicato dos caminhoneiros. Moyano foi forte aliado do kirchnerismo, mas rompeu com a ex-presidente Cristina Kirchner em 2012. Ainda assim, não é visto com bons olhos por Macri.

ELEIÇÃO POLÊMICA

Em dezembro, a primeira eleição direta para presidente da AFA, em uma votação entre dirigentes de 75 clubes, foi marcada por um resultado inusitado: 76 votos e empate entre os dois candidatos. Cada concorrente teve 38 votos porque um dos eleitores incluiu duas cédulas no envelope, o que não foi detectado na apuração.

Competiam pela presidência da AFA Luis Segura, que está no cargo de maneira interina desde a morte de Julio Grondona, que ocupou o posto por 35 anos sem oposição interna. Seu adversário era Marcelo Tinelli, apresentador de televisão mais famoso do país e cartola do San Lorenzo. O resultado indica que um dos candidatos teria vencido por apenas um voto, não fosse a irregularidade. Os dois já desistiram do pleito.

Desde então, fortaleceu-se um movimento com principais clubes da Argentina, encabeçados pelos gigantes Boca Juniors e River Plate, que desejam criar uma nova liga nacional, que lhes gere maiores receitas e que seja independente da AFA. San Lorenzo e Racing também formam o "núcleo duro" da Superliga, que, dentre os grandes, só não conta com o Independiente. Esses clubes estão alinhados com Macri, que fez Daniel Angelici seu sucessor no comando do Boca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.