Ignasi Paredes/Divulgação
Ignasi Paredes/Divulgação

GPS, a nova arma do Barcelona contra as lesões musculares

Jogadores usam aparelhos nos treinos para detectar sobrecarga 

O Estado de S. Paulo

18 Março 2015 | 12h00

 Luis Enrique, o asturiano treinador do Barcelona de Neymar, superou a desconfiança que rondou o início de seu trabalho e se firmou no cargo com a liderança do Campeonato Espanhol e com a vaga nas quartas de final da Liga dos Campeões da Europa muito bem encaminhada – o time pode até perder por 1 a 0 hoje à tarde para o Manchester City, em casa, que mesmo assim avançará na competição. Mas um fator mudou muito a performance do Barça nesta temporada: a maior resistência às lesões dos principais jogadores do clube.

Segundo o diário espanhol Sport, nos oito meses desta temporada, de todo grupo do Barcelona, apenas um jogador sofreu uma contusão muscular – o lateral-direito brasileiro Daniel Alves, que sofreu um estiramento na coxa esquerda em dezembro. O número pode ser considerado insignificante perto das 13 baixas por lesões similares na temporada 2013/2014 – cinco delas protagonizadas pelo astro argentino Lionel Messi, todas nos músculos das coxas.

A razão pela mudança é explicada pelo advento de aparelhos de GPS acoplados à coletes nos treinamentos do Barcelona. O mecanismo envia de forma online todos os dados relacionados a cargas musculares sofridas pelos jogadores ao departamento de fisiologia do clube. Assim, se um jogador está próximo de uma sobrecarga, preparados físicos são encarregados de pediu ao técnico Luis Enrique para que ele seja poupado da sessão de treinos.

Entre os números que o GPS envia aos profissionais estão distância percorrida, velocidade, deslocamentos laterais, e ainda alerta para possíveis riscos de lesões, já que possuem o histórico dos jogadores em sua memória. Assim, com as informações, é possível prevenir possíveis lesões.

Nos últimos jogos, Luis Enrique adotou uma espécie de rodízio entre seus titulares e conseguiu maior aproveitamento de seus jogadores sem que eles sejam submetidos a exaustão muscular. Graças ao GSP.

Tecnologia. No Brasil, vários dos principais clubes passaram a usar ou o GPS ou o superGPS (idênticos aos do Barcelona) em seus treinamentos e até mesmo nos jogos. Nas partidas, é comum que o aparelho seja costurado nas mangas das camisas, assim passam despercebidos pelos jogadores.

Entre as equipes que utilizam o aparelho estão o Atlético-MG (que é o pioneiro), Palmeiras, Corinthians, São Paulo, Santos, Cruzeiro e Internacional, entre outros.

Mais conteúdo sobre:
Barcelona Neymar Lionel Messi

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.