Grafite fala sobre racismo no Senado

O atacante Grafite, do São Paulo, foi homenageado na manhã desta sexta-feira, em sessão do Senado Federal, em Brasília, no dia do aniversário da abolição da escravidão do Brasil. Ele virou um símbolo da luta contra o racismo no País ao denunciar as ofensas que recebeu o jogador argentino Leandro Desábato em partida de futebol realizada no dia 13 de abril. Grafite, inclusive, foi liberado do treino do São Paulo na manhã desta sexta-feira para poder ir até Brasília. Mas está confirmado pelo técnico Paulo Autuori no time que enfrenta o Coritiba, neste sábado, no Morumbi, pelo Campeonato Brasileiro.Na audiência pública da Subcomissão de Igualdade Racial, Grafite recebeu voto de solidariedade do Senado por ter se posicionado contra o racismo. E, em seu discurso no plenário, o jogador do São Paulo pediu que todas as vítimas de discriminação, seja em relação a raça, cor ou sexo, recebem o mesmo apoio que ele recebeu dos brasileiros.?Nem todas as pessoas têm a mesma visibilidade que eu tenho por ser jogador de futebol. Mas peço o mesmo respaldo que tive para todos que sofrem discriminação. Essa é uma luta que também estou iniciando a partir de hoje?, disse Grafite em seu discurso no Senado.?No momento em que vemos uma onda crescente de atos de racismo no mundo todo e, com o agravante desses incidentes ocorrerem no meio esportivo, não podemos deixar de enaltecer a atitude desse atleta que corajosamente se pôs contra a discriminação e a injúria do racismo?, afirmou o senador Paulo Paim (PT-RS), autor da idéia de homenagear Grafite.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.