Grafite vai para a terra de Desábato

Foi difícil para Grafite esconder a surpresa por ter sido convocado pelo técnico Carlos Alberto Parreira para os jogos da seleção brasileira contra Paraguai e Argentina, pelas Eliminatórias. "Ainda estou meio bobo", confessou o atacante. A alegria do são-paulino, porém, foi imediatamente substituída pela apreensão, já que a convocação o colocará diante dos torcedores argentinos, que certamente irão se lembrar de sua denúncia de racismo contra o zagueiro Desábato, do Quilmes. Mas Grafite jura estar tranqüilo e preparado se tiver de enfrentar os argentinos, em Buenos Aires. "Se não fosse agora, teria de atuar lá em outro jogo pela seleção, ou mesmo pelo São Paulo", comentou. "Só vou fazer o meu trabalho e encarar tudo da melhor maneira possível."Grafite, porém, ainda não tem certeza de que atuará pelo Brasil, já que, se depender da diretoria do São Paulo, o atacante será cortado, pois se recupera de lesão no joelho direito. "Vamos apresentar fatos. Ele ainda não está 100% recuperado", afirma Marco Aurélio Cunha, superintendente de futebol e médico do clube. "O Grafite tem jogado, mas sob nossa supervisão. Se for exposto a um esforço grande, sem tempo de recuperação adequado, voltará em condições piores."Grafite deve jogar contra o Tigres, na quarta-feira, no Estádio do Morumbi, pela Copa Libertadores, e se apresentar à comissão técnica da seleção. Mas a expectativa dos dirigentes são-paulinos é a de que seja avaliado pelos médicos e liberado. "Ninguém mais do que ele merece a convocação, mas sua situação é preocupante", alertou Cunha. O atacante se lesionou na vitória por 1 a 0 sobre o Palmeiras, dia 18, pelas oitavas-de-final da Libertadores. Desde então, foi poupado dos jogos contra Vasco e Cruzeiro, pelo Campeonato Brasileiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.