Grafite vira a solução no São Paulo

O técnico Emerson Leão, finalmente, conseguiu resolver o problema da falta de gols do ataque do São Paulo, que surgiu desde a saída de Luís Fabiano. Melhor do que isso. Fez com que Grafite assumisse a responsabilidade de substituir o antigo artilheiro, que foi vendido ao Porto, no final de agosto."Não foi da noite para o dia que as coisas começaram a acontecer. Aos poucos, eu fui me adaptando à nova posição e fazendo o que o Leão me pedia durante os treinamentos. Seria vexatório para nós, jogadores, ter o Luís Fabiano como artilheiro do ano, sendo que ele foi embora há quase dois meses", reconheceu Grafite.Sob o comando de Cuca, o São Paulo disputou 50 jogos e anotou 88 gols: média de 1,76 por jogo. Com Leão - e sem Luís Fabiano -, em pouco mais de um mês (11 partidas), o time fez 20 gols: média de 1,81.Com os três gols que anotou na goleada de domingo sobre o Atlético-MG (5 a 0), Grafite chegou aos 10 e assumiu a condição de artilheiro do São Paulo no Campeonato Brasileiro (antes era o lateral Cicinho, com 8 gols).Agora, está apenas um atrás de Luís Fabiano, que segue como o goleador do time do Morumbi este ano - 21 contra 20 de Grafite. "Pode ser a mística da camisa 9. Eu sempre joguei com a 7 e prefiro esse número. Desde que o Luís foi embora, porém, eu tenho jogado com a 9 e marcado gols em praticamente todos os jogos. Se for para continuar tendo sorte, então vou continuar com a 9", avisou o atacante.Por essa razão, o jogo de quarta-feira à noite, contra o Santos, no Morumbi, pela Copa Sul-Americana, tem um gostinho especial para Grafite. Além de poder ultrapassar Luís Fabiano nos números, ele também tenta quebrar o jejum de nunca ter marcado um gol em clássicos com a camisa do São Paulo."Eu já marquei gols contra o Santos, contra o Corinthians..., mas só pelo Goiás, pelo Santa Cruz, nunca com a camisa do São Paulo. O gol seria bom para ratificar a condição de camisa 9. Eu estou bem tranqüilo. Não posso ficar ansioso para passar o Luís Fabiano, senão não vou render tudo o que posso", explicou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.