Gabriela Bilo/Estadão
Gramado do Allianz Parque visto de cima Gabriela Bilo/Estadão

GRAMADO DA ARENA DO PALMEIRAS DEVE FICAR 100% DAQUI SEIS MESES

Campo melhora bastante para o clássico contra o São Paulo

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2015 | 07h00

Alvo de críticas após o jogo com o Fluminense, há quase duas semanas, o gramado do Allianz Parque estará em melhores condições para o clássico entre Palmeiras e São Paulo, no domingo. O Estado esteve no estádio na quinta-feira e constatou que o campo está bem melhor com os 14 dias de folga sem jogos. 

A reportagem conversou com Eduardo Rigotto, gerente de operações da WTorre, e Fábio Camara, diretor técnico da World Sports (empresa responsável pelo gramado da arena), e ambos culparam o excesso de eventos – cinco em dez dias – pelo estado lastimável da grama no jogo contra o Fluminense, há dez dias.

Administrar o gramado da arena, segundo os dois executivos, tem sido um grande aprendizado. A localização e estrutura da arena – que tem cobertura nas arquibancadas que evita a entrada do sol – fazem com que diversas adaptações precisem ser feitas para manter o gramado em boas condições. 

"Acho que mais uns seis meses e tiramos nota dez no gramado. Estamos testando cobertura de grama em shows e precisamos de várias rodadas de erros e acertos para normalizar tudo", explicou Rigotto. "Esse ano é para aprender com as coisas e 2016 estará tudo normalizado. Estamos passando por todos os eventos possíveis", completou Camara. 

O Palmeiras enfrentou o Internacional dia 4, depois teve treino do México e do Brasil nos dias 5 e 6, respectivamente, e o amistoso no dia 7, além da partida com o Fluminense dia 14. "A gente sabia que a qualidade do gramado ia diminuir, mas o treino do México prejudicou mais o gramado do que o jogo. Foi muito mais pegado do que o combinado", explicou o representante da construtora.

Além dos jogos e shows, alguns eventos também fazem com que o gramado seja castigado, como eventos corporativos. Na sexta-feira passada, um grupo de empresários ficou por cerca de 60 minutos jogando na arena, mas isso não chegou a comprometer o gramado. "A recomendação técnica é uma e a comercial e logística é outra. O nosso desafio é encaixar as ideias", disse Rigotto.

Algo que ajuda na recuperação da grama é a luz. Para compensar a falta de entrada da luminosidade natural, pelo fato de ser um estádio bem fechado, existe um sistema de iluminação artificial importado da Holanda para conseguir fazer a grama de inverno, plantada em maio, crescer e deixar o campo em perfeitas condições.

O Palmeiras decidiu não treinar na arena nesta semana. A decisão foi do próprio clube, que foi passar a semana em Atibaia e amanhã treinará na Academia de Futebol. O atacante Alecsandro, com lesão na coxa esquerda, vai ficar fora cerca de um mês.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasFutebolBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

'Estamos vivendo um aprendizado muito grande na arena'

Representantes da WTorre e da World Sports falam sobre a condição do campo do Allianz Parque

Entrevista com

E. Rigotto e F. Camara

Daniel Batista, O Estado de s.Paulo

26 de junho de 2015 | 06h59

O Estado visitou o Allianz Parque nesta quinta-feira, viu a condição do gramado para o clássico entre Palmeiras e São Paulo, domingo, e conversou com Eduardo Rigotto, gerente de operações da WTorre, e Fábio Camara, diretor técnico da World Sports, que explicaram sobre a situação do campo. 

 

O que aconteceu para o gramado ter ficado daquele jeito que vimos no jogo com o Fluminense e o que foi feito para melhorá-lo?

RIGOTTO - Fazer a gestão do estádio como um todo, com o objetivo de ser multiuso é um desafio muito grande. O gramado é um dos maiores desafios, principalmente pela questão do sol na grama. A nossa arena é 100% coberta. Isso é positivo para os eventos, mas o problema é que insolação abaixa muito. Temos equipamentos vindos da Europa que provocam a iluminação artificial. Apesar de toda a experiência da World Sports, o desafio não é fácil. Existem algumas situações do excesso de uso. A grama não estava tão forte para receber tantos eventos em tão pouco tempo. A gente sabia que a qualidade do gramado iria diminuir, mas teve o jogo do Palmeiras na quinta, dois treinos do México e da seleção brasileira e o jogo.  

 

Mas não era sabido que esses eventos seriam realizados? 

RIGOTTO- Sim, mas o treino do México foi muito pesado e pegado. O treino do México prejudicou mais o gramado do que um jogo normal e o combinado era de que seria uma atividade mais leve. A gente teve quatro cargas de jogos em cinco dias. A gente sabia que a condição do gramado ia piorar, mas na hora, mesmo a gente combinando que seria só bola parada, o técnico resolveu mudar. 

Não tinha como abrir mão de algum desses eventos em prol do gramado?

RIGOTTO - A recomendação técnica é uma e a comercial e logística é outra. Eu não recomendaria o treino pesado do México. O Brasil fez o reconhecimento de campo, que foi tranquilo. O problema foi o treino do México mesmo. 

CAMARA - A sequência de treinos foi o que mais atrapalhou, mesmo. Se acompanhar o jogo que teve no Beira-Rio, depois (também da seleção), danificou muito o gramado. A gente fez o campo lá também e eles falaram que os treinos foram muito agressivos ao gramado. 

 

Para domingo, clássico com o São Paulo. Como estará o gramado?

RIGOTTO - Quem viu o gramado no último jogo e vai ver domingo, terá uma grata surpresa. Vai melhorar muito. Não estará nota 10, mas vai melhorar muito. São 14 dias de um jogo para o outro e isso ajudou bastante. 

Quanto tempo vai demorar para estar 100%?

RIGOTTO - Acredito que teremos mais uns seis meses até tirarmos 10 no gramado. Tivemos alguns shows e estamos testando a cobertura de grama para ver qual delas fica melhor. Estamos vendo qual será a melhor para usar sempre a mesma. Precisávamos de várias rodadas de erros e acertos.

CAMARA - Esses eventos que vão ter no fim do ano serão bom para aplicarmos todos esses testes. Esse ano é para aprender e 2016 estará tudo normalizado. 

 

Esses jogos de empresários que são disputados no gramado não atrapalha também? 

RIGOTTO - Como é um jogo de amadores, não muda muita coisa. Os danos foram tranquilos, muito pequenos, porque eles não vão ao campo para trabalhar. Eles vão se divertir. E recentemente teve um evento que foram quatro partidas de 15 minutos cada.

Porque não utilizar a grama híbrida Desso? Ela é mais resistente. O motivo foi financeiro? Em Wembley e no Itaquerão utilizam, por exemplo...

CAMARA - Isso é um sistema de reforço de solo. Tem no estádio do Corinthians e no Grêmio também. A Desso tem quase 20 anos e é boa para lugares frios, mas hoje ela não está mais sendo tão utilizada. A Desso é boa, mas te deixa preso, porque você não consegue ter muitos eventos no campo. E os estádios que usam essa grama geralmente são só para futebol. Chegou a ser discutida a possibilidade, mas chegamos a conclusão que era melhor não instalar ela aqui.

RIGOTTO - A gente gastou R$ 700 milhões na arena. O gramado representa cerca de 0,2% do valor da obra. A gente não iria economizar nisso. 0,2% ou 0,3% não faria diferença. Não utilizamos por entender que não seria a melhor opção. 

 

Dentro de todas essas coisas, o Allianz Parque é o estádio mais difícil de administrar?

CAMARA - Dos que a gente cuida, é o que exige um pouco mais de atenção. O gramado do Corinthians, teoricamente, é o mais complicado que esse, porque lá tem bomba, resfriamento, etc. Mas vale lembrar que lá só tem quatro eventos por mês, que são os jogos do Corinthians. 

Vocês pediram para o Palmeiras não treinar essa semana na arena?

RIGOTTO - Não. Eles viram que o gramado não estava bom. Conversamos depois do jogo, que esses 14 dias de descanso seria bom e não houve pedido para treinar. Foi um consenso, não proibimos ninguém de treinar na arena.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.