Estadão
Estadão

Gramado sintético do CT do Palmeiras ficará pronto na próxima semana

Enquanto obra no centro de treinamento chega ao fim, piso do estádio passa por reparos especiais para compensar falta de jogos

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

24 de abril de 2020 | 15h47

O gramado sintético da Academia de Futebol do Palmeiras ficará pronto na semana que vem. Após quase quatro meses de obras, o local poderá receber os treinos do time do técnico Vanderlei Luxemburgo e terá características idênticas ao campo artificial utilizado desde fevereiro no Allianz Parque. A etapa atual é considerada como uma fase final e resta somente a colocação do preenchimento entre as fibras, marcação do campo e colocação de traves.

Segundo os responsáveis pela instalação, a obra na Academia de Futebol teve início em janeiro e só ficará pronta agora por ter sido necessário realizar reparos extras. O terreno do gramado sintético tinha um solo tão arenoso que em uma das etapas, o chão chegou a ceder com o peso de um dos caminhões que fazia o transporte de materiais. Por isso, antes de se prosseguir foi preciso dar mais sustentação ao piso.

A pandemia do novo coronavírus também causou atrasos, como a dificuldade na entrega de materiais por parte de fornecedores e o cuidado para os operários trabalharem em turmas menores. "Mantivemos a distância entre as pessoas, equipamentos de segurança e diminuímos o efetivo. Estamos só com quatro pessoas trabalhando", disse o presidente da Soccer Grass, Alessandro Oliveira. A empresa é a responsável pela execução da obra.

Assim como feito no Allianz Parque, futuramente o gramado da Academia de Futebol receberá também certificação de qualidade da Fifa. Uma equipe do laboratório escocês Sports Labs virá ao Brasil para fazer testes para comprovar a qualidade do piso. A empresa europeia é uma das poucos no mundo a ser credenciada pela entidade máxima do futebol para realizar esse tipo de trabalho. A data da vinda dos escoceses dependerá da evolução do quadro da pandemia.

ALLIANZ PARQUE

Para compensar a falta de jogos no Allianz Parque por conta do novo coronavírus, a empresa Soccer Grass tem feito trabalhos diferenciados no campo. Por ser novo, o piso artificial precisa ser utilizado com frequência para que as fibras da grama e as partículas de preenchimento fiquem mais acomodadas e "amaciadas". A circulação dos jogadores e a movimentação da bola favorecem esse processo.

Com o calendário suspenso, a empresa tem recorrido à tecnologia para manter o gramado em atividade. "Estamos usando maquinário para substituir os jogos e escovando até mais o gramado justamente para essa finalidade. Usamos uma máquina que parece um rastelo, que tem uns gardos que pega o que está na parte mais inferior e puxa para cima. Isso ajuda a acomodar melhor o preenchimento", explicou o presidente da Soccer Grass.

O gramado artificial do Allianz Parque foi inaugurado em 16 de fevereiro, na vitória por 3 a 1 do Palmeiras sobre o Mirassol, pelo Campeonato Paulista. Depois disso o local recebeu mais três partidas: contra Guarani e Ferroviária pelo Estadual e mais o confronto diante do Guaraní, pela Copa Libertadores.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasAllianz Parque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.