Acervo/Estadão
Acervo/Estadão

Grandes jogos da Copa do Mundo de 1978

Polêmica goleada da Argentina sobre o Peru e o empate do Brasil na estreia marcaram "teorias da conspiração" no torneio

Renan Cacioli, O Estado de S.Paulo

11 Maio 2018 | 03h00

A Copa do Mundo de 1978 ficou marcada pelo forte lado político como pano de fundo da competição. Por conta disso, a vitória argentina em casa ficou marcada não só pelo brilho do atacante Mario Kempes, mas por algumas "teorias da conspiração" criadas à época que tanto prejudicaram adversários diretos dos 'hermanos', como os ajudaram em sua trajetória.

Confira a página especial sobre a Copa do Mundo de 2018

INFOGRÁFICO - Brasil, a camisa mais pesada do futebol mundial

ESPECIAL - 15 anos do Penta, nossa última conquista

ARGENTINA 6 X 0 PERU

A partida que definiu o adversário dos holandeses na final foi a última do dia 21 de junho de 1978, uma quarta-feira. Começou às 19h15, pelo horário local. Outras três já haviam sido realizadas naquele dia: duas às 13h45 e uma às 16h45 (Brasil x Polônia). Mais de 37 mil torcedores no Gigante de Arroyto, em Rosário, viram um apático e pouco combativo Peru sofrer o primeiro gol aos 21, de Kempes.

Apesar de precisar de quatro para se classificar, a equipe anfitriã foi para o intervalo vencendo por apenas 2 a 0 – Tarantini, sem nem sequer precisar subir para cabecear, completou cruzamento de escanteio aos 43 e escorou no canto de Quiroga. Na etapa complementar, Kempes fez o terceiro com três minutos de bola rolando. Dois minutos depois, em troca de passes de cabeça dentro da pequena área, a Argentina chegou ao quarto com Luque, que repetiria a dose aos 27, após falha bisonha de Duarte, que perdeu o controle da bola à frente da grande área. Antes, Houseman marcara o quinto, aos 22.

BRASIL 1 X 1 SUÉCIA

Como se não bastasse o que vivenciaria na última rodada da segunda fase, com a estranha classificação argentina, a seleção de Coutinho já experimentara uma polêmica naquele mesmo Mundial. Logo na estreia, acabou sendo vítima da arbitragem do galês Clive Thomas.

No último lance do jogo, quando o placara assinalava 1 a 1, Nelinho cobrou escanteio na cabeça de Zico, que fazia sua estreia em Copas, e o meia testou para o fundo das redes. Antes que o time brasileiro pudesse se animar com o gol da vitória, o árbitro invalidou a jogada alegando que havia encerrado a partida durante a cobrança do tiro de canto. Afastado pela Fifa, o galês não apitou mais no torneio.

NÚMEROS DA COPA

Participantes: 16 

Jogos: 38

Gols: 102 (2,68 de média)

Vermelhos: 3

Amarelos: 59

Público: 1.545.791 pessoas

Cidades-sede: 5 (Buenos Aires, Córdoba, Rosário, Mar del Plata e Mendoza)

Estádios: 6 (Monumental de Nuñez, José Amalfitani, Olímpico, Gigante de Arroyto, José Maria Minella e Ciudad de Mendoza)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.