Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Gravações revelariam detalhes de acusação de estupro contra Robinho, diz site

Conversas interceptadas com autorização judicial mostram que o jogador participou do ato que o levou a ser condenado em primeira instância na Itália

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de outubro de 2020 | 12h56

Transcrições de interceptações telefônicas realizadas com autorização judicial mostraram que Robinho revelou ter participado do ato que levou uma jovem de origem albanesa a acusar o jogador e amigos de estupro coletivo, em Milão, na Itália. Em 2017, a Justiça italiana se baseou principalmente nessas gravações para condenar o atacante em primeira instância a nove anos de prisão. Os detalhes da sentença condenatória foram revelados pelo globoesporte.com. Robinho foi anunciado pelo Santos no último fim de semana.

De acordo com a investigação, Robinho e outros cinco amigos, incluindo Ricardo Falco, que também foi condenado, levaram a mulher ao camarim de uma boate chamada Sio Café, em Milão, e lá abusaram sexualmente dela. O caso aconteceu em 22 de janeiro de 2013, quando o atleta defendia o Milan. Os outros suspeitos deixaram a Itália ao longo da investigação, e por isso a participação deles no ato é alvo de outro processo.

No interrogatório, segundo o site, Robinho afirmou que manteve relação sexual com a vítima, mas que foi com o consentimento dela, e sem outros envolvidos. No entanto, as transcrições das gravações de conversas telefônicas entre o jogador e seu amigo Falco, publicadas pelo globoesporte.com indicam que eles sabiam que a vítima estava alcoolizada. As identidades dos amigos foram preservadas.

Além das gravações telefônicas, a polícia italiana instalou um grampo no carro de Robinho e conseguiu captar outras conversas. Para a Justiça italiana, as conversas são "auto acusatório". As escutas exibem um diálogo entre o jogador e um músico, que tocou naquela noite na boate e avisou o atleta sobre a investigação.

Robinho e Falco foram condenados com base no artigo "609 bis" do código penal italiano, que fala do ato de violência sexual não consensual forçado por duas ou mais pessoas, obrigando alguém a manter relações sexuais por sua condição de inferioridade "física ou psíquica".

A decisão do Tribunal de Milão ainda não é definitiva e foi alvo de contestação das defesas do jogador do Santos e de Ricardo Falco. Os advogados dos dois apresentaram recurso e ambos respondem em liberdade. Há mais duas instâncias na Itália até o trânsito em julgado da ação, isto é, até se esgotarem os recursos. O caso será apreciado em segunda instância pela corte de apelação de Milão em dezembro.

A contratação de Robinho pelo Santos gerou uma repercussão negativa nas redes sociais. Vários torcedores, e também movimentos da sociedade civil, repudiaram o retorno do atacante. Patrocinadores do clube decidiram romper o contrato.

O presidente do Santos, Orlando Rollo defendeu o atleta e disse que não fará julgamento até o caso ser encerrado. Ele pediu prudência e lembrou do caso envolvendo Neymar, acusado de abuso sexual pela modelo Najila Trindade, e inocentado posteriormente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.