AP
AP

Grécia poderá ser expulsa pela Fifa por episódios de violência no futebol do país

Assunto veio à tona após o presidente do PAOK, Iván Savvidis, ter invadido o campo com uma arma

Estadão Conteúdo

14 Março 2018 | 13h46

As lamentáveis cenas de violência ocorridas no futebol grego no último fim de semana poderão ter consequências severas, como a proibição do país de disputar torneios internacionais ou até mesmo sua suspensão do quadro da Fifa. Foi este o recado dado nesta quarta-feira por Herbert Huebel, representante da entidade que rege o esporte, após se reunir com membros do governo e do esporte local em Atenas.

+ Presidente do PAOK se desculpa por invadir campo armado e culpa crise na Grécia

+ Federação Grega suspende campeonato local após dono do PAOK invadir campo armado

O assunto veio à tona após o presidente do PAOK, Iván Savvidis, ter invadido o campo com uma arma na cintura para protestar contra um gol anulado pela arbitragem no jogo diante do AEK Atenas, no último domingo, pelo Campeonato Grego. As duas equipes brigam diretamente pelas primeiras posições na tabela. A partida, que estava empatada em 0 a 0 no momento do incidente, acabou sendo interrompida.

  No dia seguinte, o governo grego suspendeu a liga por tempo indeterminado. "O futebol na Grécia está no limite", declarou Huebel. "Todos amamos o futebol, mas é inaceitável que as pessoas tenham medo de ir ao estádio. Como alguém pode levar seus filhos quando há armas no campo?", questionou o representante da entidade.

Nesta quarta foram iniciados no país europeu processos disciplinares contra o PAOK e seu proprietário. O time corre o risco de perder pontos ou até mesmo ser eliminado do campeonato, enquanto Savvidis, que se desculpou pela conduta, pode levar um gancho de cinco anos.

Além disso, o presidente da Federação Grega de Futebol, Evangelos Grammenos, avisou que representantes da liga nacional terão até o dia 23 de março para fazer uma declaração com medidas contra a violência dentro e fora dos estádios. Com esse plano em mãos, o governo decidirá se vai revogar ou não a suspensão ao campeonato.

A Fifa também será informada em até dez dias por meio de um relatório produzido por Huebel, baseado no que foi discutido durante o encontro em Atenas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.