Carlos Garcia Rawlins/Reuters
Carlos Garcia Rawlins/Reuters

Grêmio bobeia, toma a virada e perde para o Caracas na Libertadores

Derrota por 2 a 1 na Venezuela liga o sinal de alerta na equipe gaúcha na tabela do Grupo 8

EFE

12 de março de 2013 | 23h44

CARACAS - Uma semana após ter goleado o Caracas na Arena, o Grêmio visitou a capital venezuelana nesta terça-feira e desta vez amargou uma derrota, de virada, por 2 a 1. O resultado impediu a equipe gaúcha de assumir a liderança do Grupo 8, após quatro rodadas. O jogo foi o primeiro evento esportivo no país após a morte de Hugo Chávez.

Os dois times ficam com seis pontos, mas o Grêmio é o vice-líder por conta do melhor saldo de gols. Na ponta aparece o Fluminense, que tem sete. Por fim, o Huachipato, do Chile, soma quatro pontos.

Na quinta rodada, no dia 10 de abril, o time de Porto Alegre recebe o Fluminense, que pode garantir a classificação antecipada se vencer. Uma semana antes, Caracas e Huachipato jogarão na Venezuela.

O JOGO

A partida começou com um susto para o Grêmio. Logo aos 13 segundos, Farías aproveitou bola mal rebatida por Pará e obrigou Dida a fazer ótima defesa. Depois de um breve domínio do Caracas, o time brasileiro entrou no jogo. Aos 7 minutos, Barcos se livrou de dois zagueiros e bateu com perigo. Oito minutos mais tarde, não teve jeito. André Santos subiu com liberdade pela esquerda e centrou na cabeça de Elano, que não desperdiçou.

Após o gol, a partida ficou mais morna, com várias jogadas mal trabalhadas. Muitas delas, é verdade, eram prejudicadas pelo péssimo estado do gramado do estádio Olímpico de la UCV.

Ainda assim, o tricolor gaúcho chegou com perigo novamente aos 24 minutos, mas Barcos não conseguiu aproveitar o cruzamento de Elano.

Mesmo sem ser brilhante, o Grêmio tinha o controle total da partida, que se encaminhava para o intervalo com o placar em 1 a 0. Aos 46 minutos, porém, faltou atenção à defesa para manter a vantagem. Após cobrança de falta, a bola carimbou Fernando na barreira e sobrou para Peña na meia-lua. O venezuelano, sozinho, encheu o pé e acertou o canto de Dida.

O Grêmio voltou do vestiário assustando. Aos 6 minutos, Zé Roberto chutou colocado e o goleiro Baroja bateu roupa. No rebote, Fernando não conseguiu marcar. Pouco depois, Barcos teve grande chance após cruzamento de Elano e perdeu.

O jogo, que parecia à feição do time brasileiro, mudou totalmente aos 21 minutos, quando Farías apareceu à frente de Cris e André Santos, completou o cruzamento que viera da esquerda e virou o placar.

O gol desestabilizou o Grêmio, que a esta altura praticava um futebol sofrível. Precisando de mais poderio na frente, o técnico Vanderlei Luxemburgo lançou Welliton, Marco Antônio e Willian José em sequência. Dos três, o único que fez algo digno de nota foi Marco Antônio, que, na derradeira chance da equipe tricolor, assustou Barojas em chute de longe aos 47.

A derrota complica a vida do Grêmio na competição. Em caso de novo tropeço contra o Fluminense, o time gaúcho chegará à sexta rodada sem depender de si mesmo para avançar às oitavas de final, além de ter de vencer o Huachipato fora de casa.

CARACAS 2 X 1 GRÊMIO

CARACAS - Baroja; Antonio da Silva, Edwin Peraza, Andrés Sánchés e Francisco Carabalí; Juan Guerra, Edgar Jiménez (Rubert Quijada), Ángelo Peña (Luis Vivas) e Romulo Otore; Edder Farías e Dany Cure (Daniel Febles). Técnico: Ceferino Bencomo.

GRÊMIO - Dida; Pará; Werley, Cris e André Santos; Fernando (Welliton), Souza, Elano (Marco Antônio) e Zé Roberto; Vargas (Willian José) e Barcos. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

Gols: Elano, aos 7, e Peña, aos 46 minutos do primeiro tempo. Farías, aos 21 minutos do segundo tempo.

Árbitro: Oscar Maldonado (BOL).

Cartões amarelos: Elano, Vargas e Werley (Grêmio); Peña, Amaral, Guerra e Otero (Caracas).

Renda e público: Não disponíveis.

Local: Olímpico UCV, em Caracas (VEN).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.