Grêmio deixa torcedores desesperados

A torcida do Grêmio anda desesperada. O time não consegue sair da lanterna do campeonato brasileiro, está no rumo da segunda divisão, e tudo o que a direção do clube tem para oferecer é a esperança de que os gols que o ataque vem desperdiçando comecem a acontecer. "Um dia esta fase vai acabar e pode ser nesta quarta-feira, contra o Vitória", acredita o vice-presidente de futebol Saul Berdichevski, que atribui as recentes derrotas para o Guarani e Goiás à ansiedade dos jogadores diante da obrigação de vencer. "Estamos jogando melhor do que nossos adversários, mas falta eficiência para colocar a bola pra dentro", comenta o técnico Nestor Simionatto. Berdichevski concorda dizendo que o Grêmio, que já teve três treinadores e contratou quatro jogadores durante o campeonato, está diferente do início da competição, quando também perdia, mas atuando mal. A estatística da derrota para o Goiás, no domingo, em Porto Alegre, pode auxiliar o raciocínio de Berdicheveski, mas não convence os gremistas nas ruas. "O que está faltando é futebol", desespera-se o vendedor ambulante Sérgio Ribeiro. Para o torcedor, a explicação para o desperdício de dez chances de gol, é também deficiência técnica e não só estado de espírito. "O Cuca assumiu o Goiás e ficou cinco jogos sem vencer", compara Berdichevski, referindo-se ao técnico que sofreu o mesmo que Simionatto e agora conseguiu retirar o clube que dirige da zona de rebaixamento. No domingo, já tranqüilos, os jogadores do Goiás souberam tirar proveito do desespero do Grêmio e conquistaram três pontos em pleno estádio Olímpico, marcando o gol da vitória no contra-ataque. Como quer mais vitórias e menos explicações, a torcida começa a demonstrar sua impaciência com faixas que pedem a saída do presidente Flávio Obino e contestações a Simionatto, que só ganhou uma das sete partidas que disputou. No domingo à noite, depois da 15ª derrota no campeonato, centenas de gremistas apedrejaram os vidros do vestiário e de caminhões de externas de emissoras de televisão. Só foram dispersados uma hora depois do jogo por policiais militares montados a cavalo. A perspectiva de mudança no time está afastada porque a fase de contratações para este campeonato já terminou. Simionatto, garante Berdichevski, segue comandando o Grêmio. O novo desafio é ganhar do Vitória em Salvador, do São Caetano em Porto Alegre, do São Paulo no Morumbi e do Fluminense no Rio de Janeiro. A virada esperada por Berdichevski terá de ocorrer fora de casa. O Grêmio não venceu sequer um jogo fora do Olímpico neste campeonato. Se seguir no mesmo ritmo, vai comemorar seu centenário, no dia 15 de setembro, virtualmente rebaixado, experiência vivida em 1991 que nenhum gremista gosta de relembrar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.