Grêmio e Internacional duelam em clássico que pode ser uma prévia de decisão

Time de Celso Roth ficará fora da zona do rebaixamento em caso de vitória

Estadão Conteúdo

23 Outubro 2016 | 08h30

Um clássico marcado por muito entusiasmo e alguma tensão. É esse o cenário que aguarda o confronto deste domingo entre Grêmio e Internacional, às 17 horas, na Arena Grêmio, em Porto Alegre, pela 32.ª rodada do Campeonato Brasileiro. As duas equipes, afinal, garantiram-se na semifinal da Copa do Brasil e sonham em fazer uma inédita decisão do torneio de mata-mata.

Mas se o clássico deste domingo pode representar a prévia de uma eventual final, ele também traz um componente dramático, sobretudo ao Internacional, que luta para se afastar da zona do rebaixamento. O time do técnico Celso Roth está na 16.ª posição do Brasileirão com 36 pontos - apenas um na frente do Vitória - e precisa triunfar para se garantir fora da zona de descenso sem depender de outros resultados. Já o Grêmio, além da chance de complicar o rival, luta para se aproximar do G6 - está a um ponto da zona de classificação à Copa Libertadores.

Na briga para permanecer na primeira divisão nacional, o Internacional deve escalar força máxima. Assim, William retorna após cumprir suspensão e Ceará será deslocado à lateral esquerda. A única dúvida fica para o lugar do suspenso meia Alex. Eduardo Sasha e Valdívia são os mais cotados.

O técnico Renato Gaúcho, por outro lado, fez mistério e deu indícios de que pode poupar alguns titulares, já pensando no duelo desta quarta-feira contra o Cruzeiro, pela semifinal da Copa do Brasil. "Me preocupo com os meus jogadores, independentemente do jogo ou quem estiver do outro lado. Não adianta colocar uma equipe em campo como todo mundo gostaria e ela não andar. Vai cansar ainda mais e estará cansada para o próximo jogo".

Mas uma boa novidade pode vir no gol: Marcelo Grohe voltou a treinar normalmente e deve ficar à disposição. A notícia é ainda mais importante porque seu reserva, Bruno Grassi, teve uma lesão diagnosticada e ficará fora por quase três semanas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.