Grêmio enfrenta o Caracas de olho na semi da Libertadores

Grêmio enfrenta o Caracas de olho na semi da Libertadores

Equipe tricolor, do técnico Paulo Autuori, tenta conter favoritismo diante da inesperada equipe venezuelana

Elder Ogliari, Especial para O Estado de S. Paulo

27 de maio de 2009 | 00h39

O Grêmio espera dificuldades contra o Caracas nesta quarta, às 21h50, na capital venezuelana, no jogo de ida entre os dois times pelas quartas de final da Copa Libertadores. Em seu primeiro jogo pela competição no comando da equipe, o técnico Paulo Autuori admite que seu time seria favorito se o confronto dependesse apenas da tradição, mas ressalta o crescimento do futebol venezuelano nos últimos anos.

Veja também:

tabela Copa Libertadores - Classificação e Calendário 

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"Às vezes, equipes de tradição não conseguem ganhar de equipes que não têm a mesma expressão, exemplos não faltam", comentou o treinador. A recente eliminação do Boca Juniors, pelo Defensor, na Bombonera, faz o clube brasileiro redobrar a atenção contra o adversário desta fase.

O meia Tcheco afirma que os jogadores do Grêmio já vêm observando o Caracas e receberam algumas informações sobre o time venezuelano. Pela percepção dos gaúchos, os adversários lutam muito pela bola, ao estilo dos argentinos, e saem em velocidade para o ataque, exigindo muitos cuidados de seus marcadores.

Autuori pode contar com todos os jogadores do tricolor, mas mantém uma dúvida no meio-campo, entre os volantes Adilson e Túlio, com alguma vantagem para o último, mais experiente. Há também a opção de manter os dois e sacar o zagueiro Rafael Marques, antecipando a mudança de esquema, do 3-5-2 para o 4-4-2, pretendida pelo técnico. O zagueiro Réver e o meia Souza sentiram dores musculares durante a semana, mas devem jogar.

O Caracas, que pela primeira vez em sua história jogará uma partida de quartas de final da Libertadores, aposta no retrospecto em casa na competição. É a única equipe desta Libertadores com 100% de aproveitamento em seu estádio.

A equipe do técnico Noel Sanvicente reconhece a força do Grêmio, time de melhor campanha na competição, mas quer aproveitar a boa fase para surpreender os gaúchos. A novidade é a volta de Castellín, que cumpriu suspensão no último jogo, contra o Deportivo Cuenca.

Tudo o que sabemos sobre:
GrêmioCopa LibertadoresCaracas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.