Divulgação
Divulgação

Grêmio entra na briga por Ganso e ameaça acerto com São Paulo

Gaúchos estão dispostos a pagar a multa; Santos prefere vê-lo no Olímpico

Fernando Faro, O Estado de São Paulo

13 de setembro de 2012 | 15h44

SÃO PAULO - O Grêmio voltou à carga sobre Paulo Henrique Ganso e pode melar uma negociação que estava muito bem encaminhada com o São Paulo. Assim que soube da posição do Santos em liberar o meia pelos R$23,8 milhões pelos 45% dos seus direitos, o clube gaúcho entrou em contato, avisou que pagaria a multa e embaralhou o cenário.

Ciente de que a permanência do jogador é insustentável na Vila Belmiro, o presidente Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro prefere vê-lo longe de um rival regional e fará todos os esforços para empurrá-lo para o Olímpico. Como Ganso também quer se ver livre do clube o mais rápido possível, não rejeitaria uma mudança de última hora apesar de sua preferência ser defender o São Paulo.

Do lado do DIS, detentora dos outros 55% do atleta, a preferência também é negociá-lo com o Tricolor, mas dificilmente se oporia a um acerto com os gaúchos. A exemplo de Ganso, a prioridade do investidor é tirá-lo do Santos o quanto antes, mesmo que isso signifique desfazer o acordo com o São Paulo, que não pagaria nada para a empresa e daria uma compensação futura quando o atleta fosse vendido para o exterior.

A investida gremista deixou a direção apreensiva e pôs abaixo o clima de otimismo. Se antes a aposta era que o acerto era uma questão de tempo, agora existe até mesmo a dúvida que Ganso defenderá mesmo o clube. Os dirigentes apostam na prioridade pelo acerto por terem procurado o Santos primeiro e no desejo do jogador em atuar no Morumbi.

É possível que a novela tenha um desfecho ainda nesta quinta, mas o capítulo decisivo promete ser arrastado e cheio de emoções para os tricolores gaúchos e paulistas.

Tudo o que sabemos sobre:
São Paulo FCSantos FCGrêmio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.