Divulgação
Divulgação

Grêmio recua e paralisa negociações pela compra da Arena em Porto Alegre

Clube diz que vai esperar para tomar decisão

Estadao Conteudo

31 de março de 2017 | 21h50

O Grêmio publicou uma nota oficial em seu site, nesta sexta-feira, informando que recuou momentaneamente nas negociações envolvendo a compra da Arena Grêmio, em Porto Alegre. A ideia do clube gaúcho é aguardar os "demais agentes do processo" a assumirem os seus compromissos.

Parte do acordo já teria sido acertado com alguns bancos e com a OAS, construtora detentora do estádio, mas que sofre com sérios problemas financeiros em razão da Operação Lava Jato. Nem todas as instituições, porém, aceitaram o modelo de financiamento proposto e as negociações vêm se arrastando por meses. O Grêmio, assim, embora não tenha desistido, informou que pretende esperar.

"Em decorrência da indefinição e da falta de avanço nas negociações para conclusão e efetivação à aquisição da gestão da Arena, neste momento, podendo adiante tomar outra decisão, o Grêmio comunica aos seus sócios e torcedores que, após propor soluções convergentes - até o limite de suas possibilidades - passa a aguardar, a partir desta data, que os demais operadores e agentes do processo (OAS, Caixa/Karagounis, Santander, Banco do Brasil, Bradesco e Banrisul) assumam suas responsabilidades com vistas ao acordo, incluindo as obras no entorno da Arena", comunicou o clube gaúcho.

Na avaliação do Grêmio, o acordo só poderá ser concluído quando todas as partes tiverem comprometidas. Enquanto faz a sua recuada estratégica, o time segue cumprindo o contrato com a construtora, que prevê a exploração do estádio por 20 anos.

"Tal solução somente será concretizada pela vontade manifesta e coletiva das partes envolvidas no processo", acrescentou a nota. "O Grêmio reitera e ratifica o seu anseio à aquisição da gestão plena de seu estádio, patrimônio de sua imensa torcida, orgulho de uma nação".

Tudo o que sabemos sobre:
GrêmiofutebolGrêmio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.