Lucas Uebel/Divulgação
Lucas Uebel/Divulgação

Grêmio tenta comprar arena para encerrar crise

Construtora estaria envolvida no escândalo da Operação Lava Jato

Almir Leite e Vítor Marques, O Estado de S. Paulo

18 de maio de 2015 | 07h00

Inaugurada em dezembro 2012 como símbolo primeiro da modernidade nos estádios de futebol do País, a Arena Grêmio enfrenta a sua primeira crise financeira.  O problema está ligado ao envolvimento da Construtora OAS no escândalo da Operação Lava Jato, que secou os recursos da empresa e teve como consequência o atraso no pagamento de parcelas do empréstimo contraído para erguer a arena. Para tentar resolver o impasse o Grêmio está agilizando o processo para passar a ter o controle do estádio.

Para construir a arena, a OAS tomou empréstimos em três bancos: Banrisul, Santander e Banco do Brasil.  Atualmente, a dívida é estimada em R$ 280 milhões (cerca de R$ 70 milhões já foram quitados), mas os pagamentos das prestações não são feitos há três meses. Com isso, existe a ameaça dos bancos credores de pedirem o bloqueio da conta da Arena Porto-Alegrense, administradora do estádio (a OAS Arenas cuida a operação), o que impediria seu funcionamento.

O presidente do Grêmio, Romildo Bolzan Junior, não acredita na hipótese de fechamento do estádio. "Não temos nenhum receio e não admitimos de jeito nenhum não jogar na arena. Os problemas da OAS são conhecidos, notórios. O que o Grêmio espera é concluir rapidamente o processo de aquisição do equipamento'', disse ao Estado.

Há dois anos o clube estuda uma forma de viabilizar a compra da arena - a negociação é comandada pelo ex-presidente Fábio Koff, que está hospitalizado. O objetivo é que o clube tome para si todo o processo de administração e operação. "Temos uma estratégia. Já definimos preços e condições. Só precisamos que os bancos deem o consentimento para que essa situação aconteça. As garantias nós já temos.''

Os bancos precisam avalizar a compra porque na prática o clube assumiria a dívida que a OAS tem com eles. "Como um pouco de boa vontade isso será resolvido rapidamente.''

Bolzan não quis revelar valores, mas a oferta do Grêmio à construtora gira em torno de R$ 396 milhões, mais o terreno do Estádio Olímpico.  A dívida seria paga em 20 anos. 

Tudo o que sabemos sobre:
futebolGrêmioArena Grêmio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.