Grêmio tenta evitar otimismo exagerado

Ao contrário do restante do ano, o Grêmio chega à última semana do campeonato brasileiro na inédita condição de depender apenas de suas próprias pernas para escapar do rebaixamento. A preocupação, agora, é manter a mobilização de jogadores e da torcida e evitar que o otimismo se torne exagerado e acabe por prejudicar um time que sucumbiu diversas vezes à sua própria imaturidade ao longo da competição. Se vencer o Corinthians domingo, no Olímpico, o time gaúcho não precisará olhar para os resultados de Bahia e Ponte Preta, seus adversários na zona do desespero. Apesar de ter pela frente um adversário desmotivado, que não busca mais nada no campeonato, o Grêmio trata de evitar surpresas. "Assim como o Santos jogou uma decisão contra nós, o Corinthians vai querer honrar sua camisa", alerta o vice-presidente de futebol do Grêmio, Saul Berdichevski. A preparação psicológica dos jogadores, durante a semana, incluirá orientações para adversidades como eventual desvantagem no placar e cuidados para manter a vantagem se o Grêmio fizer gol antes. A história recente do time mostra diversos momentos de desestabilização diante de um gol sofrido e de falta de tranqüilidade para segurar escores favoráveis. "Superamos esta fase e agora estamos preparados para não perder a concentração", acredita Berdichevski. Para manter a torcida mobilizada e lotar os 55 mil lugares do Olímpico, o clube vai repetir a promoção que já vem fazendo há diversas rodadas com sucesso. Quem comprar um ingresso terá direito a levar um acompanhante. Além disso, conselheiros e torcedores do clube prometem montar telões nos parques da Redenção e Moinhos de Vento para que todos os gremistas possam ver o jogo. O centroavante Christian, um dos poucos jogadores a aparecer no Olímpico nesta segunda-feira, acredita que o pesadelo gremista está no fim, mas não dispensa o ajuda das arquibancadas. "Falta pouco, mas continuamos precisando do apoio do torcedor para alcançar a vitória, escapar da segunda divisão e terminar este sofrido ano de 2003", comenta. Christian, que marcou gols nos dois últimos jogos, diz que enfim o ataque está funcionando. "A bola está chegando com qualidade", avalia, elogiando os passes que tem recebido de Gilberto e Cláudio Pitbull. Apesar do otimismo, o técnico Adílson Batista tem problemas para escalar o time. Os zagueiros Baloy e Claudiomiro e os volantes Tinga e Leanderson estão suspensos em conseqüência dos cartões que tomaram pelas faltas que fizeram para parar Diego e Robinho no domingo. As opções do técnico para a defesa são Adriano e Renato. George volta no lugar de Leanderson e Marcos Paulo deve substituir Tinga.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.