Lucas Uebel/Grêmio
Lucas Uebel/Grêmio

Grêmio visita Coritiba tentando acabar com jejum de vitórias para não deixar o G-6

Comandados de Renato Gaúcho já está há cinco partidas sem triunfos, sendo duas duras derrotas seguidas

Redação, Estadão Conteúdo

31 de janeiro de 2021 | 13h32

Dia desses, Renato Gaúcho se gabava dos 18 jogos de invencibilidade do Grêmio. O time decolou no Brasileirão como ele prometera e até chegou a sonhar em brigar pelo título. A fase virou, já são cinco partidas sem triunfos, duas duras derrotas seguidas e a missão, agora, é quebrar esse pequeno jejum para não perder vaga no G-6. Mesmo atuando fora de casa, o treinador não admite outro resultado negativo na visita ao ameaçado Coritiba, às 16 horas, no Couto Pereira.

Apenas um ponto à frente do Fluminense, o Grêmio buscará se redimir das derrotas de virada para o arquirrival Internacional e o Flamengo. Os resultados deixaram Renato Gaúcho atordoado, com ameaça até de usar reservas na competição. A direção impediu.

Convencido que não há manipulação no Brasileirão, como chegou a induzir, o treinador espera mais uma vez sair na frente do placar, mas que desta vez a defesa mostre a força apresentada nos 10 jogos sem derrotas na competição.

Antes de levar quatro gols do Flamengo, o Grêmio detinha a melhor defesa da Série A. Agora o Inter é o menos vazado (30 gols a 31). Resgatar a força defensiva e manter o bom desempenho ofensivo serão dois pilares necessários para o "desencanto" em Curitiba.

O Grêmio terá problemas de escalação no Couto Pereira. O zagueiro Kannemann e o volante Matheus Henrique estão suspensos por acúmulo de cartões amarelos.

Mas a maior dor de cabeça para Renato Gaúcho está no ataque. Diego Souza deixou o jogo diante do Flamengo acusando o desgaste muscular. O reserva imediato Churín também sofre com as dores musculares. Pepê não jogou diante dos cariocas sob alegação de problemas no quadril e também não tem escalação confirmada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.