Gremistas prometem invadir a Vila Belmiro

O Grêmio quer repetir na Vila Belmiro, na próxima rodada, a invasão ao Heriberto Hülse, que promoveu no último domingo, quando, ajudado por cinco mil torcedores, derrotou o Criciúma por 2 a 0 e, depois de 24 rodadas, saiu da zona de rebaixamento do campeonato brasileiro. O clube gaúcho conta com a ajuda de empresários que se dispuseram a pagar ônibus para os gremistas viajaram a Santos, e com a mobilização de seus torcedores radicados no estado de São Paulo. Não espera, no entanto, que a desmobilização do adversário, que não pode mais ser campeão e já está classificado para a Libertadores, vá significar uma vantagem. "Aconselhamos os jogadores a nem lerem os jornais para não acreditarem nisso", revela o vice-presidente de futebol Saul Berdichevski. "Com o time e a torcida que tem, o Santos vai continuar jogando como se fosse uma decisão", prevê. A espinhosa tarefa de ganhar do Santos e contrariar toda a péssima retrospectiva que tem na Vila Belmiro é vista como a redenção para o Grêmio, que pode estar respirando, mas sabe que até mesmo um empate pode deixá-lo em situação desesperadora para a última rodada, quando enfrenta o Corinthians em Porto Alegre. Único jogador a aparecer no Olímpico na segunda-feira de folga, o lateral-direito George acredita que em Criciúma o Grêmio adquiriu a tranqüilidade necessária para assegurar a presença na primeira divisão em 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.