Greve do Flu não beneficia Corinthians

Para o técnico Carlos Alberto Parreira e os jogadores do Corinthians a greve de advertência do Fluminense, que não treinou hoje, não deve prejudicar, nem trazer benefícios ao time no clássico que será disputado neste domingo. "Só fico triste pelo futebol brasileiro que lá fora é pentacampeão mundial e fora de campo é este desastre, este caos", disse Parreira ao falar da situação do clube o qual defendeu, somando todas as passagens, por quase uma década. Parreira lamentou o fato de que os jogadores do Fluminense tenham de ter chegado ao extremo de não treinar para tentar receber o que lhes é de direito e teme que o exemplo dos jogadores do time carioca acabe se espalhando pelo Brasil. "Se todo mundo que não estiver recebendo salários fizer isso vai quase que parar o futebol." Mas o técnico não acredita que toda esta crise vá mudar a situação do Corinthians para o jogo de domingo. "Não estou vendo o que aconteceu como vantagem", afirmou. O mesmo acontece com os jogadores. De maneira geral, todos acham que a crise financeira dos adversários não significa necessariamente maior facilidade para conquistar a classificação para a próxima fase da Copa dos Campeões ou maior pressão por parte da torcida corintiana pelo resultado. "Acho que vai haver cobrança sobre nós de qualquer maneira e não acho que isso vá aumentar por causa do que está acontecendo do outro lado", diz o lateral Kléber. "Acho que a pressão vai ser igual." A opinião é compartilhada pelo meia Ricardinho. "Acho que será a responsabilidade de qualquer jogo contra um time grande", avaliou o jogador. Hoje, a equipe fez um treinamento coletivo durante a tarde. No primeiro tempo, a equipe que enfrentou o Náutico e o Paysandu, com Fabinho e Renato no meio-de-campo foi mantida. Vampeta e Ricardinho jogaram no time reserva. Na segunda metade do treino foi a vez das posições serem invertidas e Fabinho mostrou sua disposição em ficar no time titular com um belo gol. Parreira continua em dúvida sobre escalar os jogadores da seleção pentacampeã durante toda a partida ou escalá-los apenas no segundo tempo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.