Enrique Marcarian/Reuters
Enrique Marcarian/Reuters

Greve na Argentina dificulta chegada da torcida do São Paulo

Time tricolor enfrenta o San Lorenzo nesta quarta-feira, às 19h45

Rafael Fiuza, O Estado de S. Paulo

31 Março 2015 | 13h52

Além dos problemas enfrentados dentro de campo, a torcida do São Paulo ganhou um novo motivo para se preocupar. Com a greve geral na Argentina, principalmente no setor de transportes, que paralisou todos os voos nesta terça-feira, a principal torcida organizada do clube sofre para chegar ao local do confronto com o San Lorenzo, válido pela Copa Libertadores.

De acordo com o vice-presidente da Independente, Henrique Gomes, os ônibus que estão levando a torcida já estão paralisados há cerca de 4 horas nas proximidades da fronteira com a Argentina. "Estamos procurando uma alternativa, que pode ser até de balsa, mas vamos chegar de qualquer jeito ao local do jogo", disse Gomes. A viagem realizada pelos torcedores teria duração média de 40 horas, mas já ultrapassa o tempo estimado com a paralisação.

Alguns torcedores que haviam comprado passagem de avião para Buenos Aires tentam mudar o voo para Montevidéu e fazer o percurso para Argentina de balsa também, mesmo sem a confirmação da operação da travessia. Outros são-paulinos vão viajar na quarta-feira, dia da partida, após mudanças da Gol e Tam para torcedores que compraram o pacote da Passaporte FC. Todos os voos para a Argentina foram cancelados, com exceção do voo que levou os jogadores do São Paulo na manhã desta terça.

ESTÁDIO

A situação ainda pode piorar. Localizado em um perigoso bairro de Buenos Aires, o estádio Gasômetro costuma receber recusas de taxistas para corridas ao local. Alguns torcedores já cogitam alternativas para chegar ao palco da partida. De acordo com Rafael Trigole, torcedor do São Paulo, existe a possibilidade de alugar um carro para chegar ao estádio. "Nos encontraremos no Obelisco, na praça da Republica, mas se os taxistas não quiserem ir para o local do jogo, podemos alugar um carro", afirma Trigole, que deverá chegar na manhã de quarta-feira à Argentina, caso o voo não seja alterado.

O comando da greve na Argentina decretou paralisação de 24 horas. Portanto, nesta quarta-feira, tudo deverá voltar ao normal no país de Messi e Maradona.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.