Grosskreutz assina com o Stuttgart após passagem sem atuar pelo Galatasaray

O alemão Kevin Grosskreutz foi anunciado como novo reforço do Stuttgart e está de volta ao futebol de seu país após uma passagem nada feliz pela Turquia. Contratado no início da última temporada europeia pelo Galatasaray, o jogador foi impedido de atuar por uma imposição da Fifa. Quando finalmente poderia estrear com a camisa de seu novo clube, decidiu retornar à terra natal.

Estadão Conteúdo

06 de janeiro de 2016 | 15h37

Grosskreutz foi anunciado como reforço do Galatasaray no fim da janela de transferência do futebol europeu do meio de 2015. Dias depois, no entanto, a Fifa examinou os documentos da transação e entendeu que ela só havia sido concluída após o fechamento da janela. Com isso, impediu que o jogador atuasse pelo clube até a nova abertura, no início deste mês, mas o atleta frustrou os turcos e optou por retornar à Alemanha antes mesmo de entrar em campo.

"Ao lado do Campeonato Inglês, o Alemão é um dos campeonatos mais fortes do mundo. A previsão de atingir nossos objetivos juntos no Stuttgart é incrível", declarou em entrevista ao site de seu novo clube, explicando sua opção. "Estou empolgado com este novo desafio e com a reunião com todo o time."

O novo reforço do Stuttgart tem 27 anos e é um verdadeiro curinga, podendo atuar nas duas laterais além de fazer funções mais ofensivas, como a de ponta. Foi justamente esta característica que o levou à seleção alemã, pela qual atuou em seis oportunidades e se sagrou campeão da Copa do Mundo de 2014, no Brasil.

Antes do Galatasaray, Grosskreutz vestiu a camisa do Borussia Dortmund, com a qual jogou quase 200 partidas e se sagrou campeão alemão em duas oportunidades. No Stuttgart, ele vestirá o número 15 e reencontrará dois antigos companheiros de Borussia: o goleiro Mitch Langerak e o atacante Daniel Ginczek.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolStuttgartGrosskreutz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.