Pedro Martins/MoWa Press
Pedro Martins/MoWa Press

Grupo do Brasil que vai para a Copa da Rússia tem as raízes de Tite

Confiança, obediência tática, momento atual e versatilidade moldam elenco escolhido pelo técnico da seleção

Almir Leite, Fabio Grellet e Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

15 Maio 2018 | 05h37

O grupo da seleção brasileira que o gaúcho Tite vai levar à Copa do Mundo da Rússia tem muito de suas raízes. Cinco jogadores convocados foram formados ou jogaram por Grêmio e Internacional, onde o técnico teve passagens vitoriosas no começo da carreira. Outros cinco são atletas com quem ele trabalhou no Corinthians, clube que o treinador conduziu nos títulos da Libertadores e do Mundial em 2012.

+ Com Taison e Geromel, Tite convoca lista final da Copa do Mundo da Rússia

+ Raio-X -  Conheça as seleções da Copa da Rússia

+ Confira tabela da Copa do Mundo da Rússia

+ O Estadão mostra os grandes craques que vão disputar a Copa do Mundo

Não se trata de dar preferência a atletas das equipes com as quais o técnico tenha trabalhado, mas sim de uma mistura de confiança, obediência tática, momento atual e versatilidade. As quatro características são enaltecidas pelo treinador a todo o momento.

Do sul do País, ele escolheu Geromel para ocupar a última vaga que sobrava entre os zagueiros. “O Grêmio vem mantendo um padrão de regularidade em alto nível há dois anos. Começou com Felipão, afirmação com Roger e colhendo todos os frutos com Renato”, disse. “O Geromel vem nesse tempo mantendo uma consistência em alto nível. Isso tudo o credenciou.”

O rival Internacional terá três ex-jogadores na seleção brasileira da Copa. São eles: o goleiro Alisson, titular desde que o técnico assumiu o Brasil, o volante Fred e o atacante Taison. Os três foram formados na equipe colorada, sendo que o atacante foi campeão da Copa Sul-Americana em 2008, quando Tite treinava o time gaúcho.

“Nossa equipe tem a característica de explorar a alternância, a triangulação, a troca de ritmo. O Taison é muito versátil, joga por dentro e por fora”, explicou o treinador. A versatilidade também foi a justificativa de Tite para optar por Fred no meio de campo da seleção. “Ele joga em duas posições”, pontuou, observando que o jogador do Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, também atua como meia.

Do Corinthians, Cássio foi confirmado como terceiro goleiro e Fagner garantiu um posto na lateral mesmo ainda em fase de recuperação de lesão. Três ex-jogadores do clube – os volantes Paulinho e Renato Augusto, além do zagueiro Marquinhos –, que vinham sendo convocados desde que Tite assumiu, também foram chamados.

A opção por Fagner veio principalmente após a contusão de Daniel Alves, mas o lateral-direito corintiano sempre contou com a confiança de Tite. Em 20 jogos do treinador à frente da seleção, o jogador atuou em três. Entre as opções de reserva, foi o mais atuante.

Apesar disso, o técnico revelou que o titular deverá ser Danilo. “Hoje, a vantagem é do Danilo, em função de estar atuando muito bem”, ponderou. “O Fagner está neste período de recuperação, mas vai estar em condições na disputa do Mundial.”

Além deles, o meia Willian foi formado na base do Corinthians e era uma jovem promessa na primeira passagem de Tite pelo clube paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.