Divulgação/Real Madrid CF
Divulgação/Real Madrid CF

'Grupo Doze vai levar o melhor do futebol para os negócios', diz Marcelo, do Real Madrid

Lateral-esquerdo avalia entrada no ramo de investimentos no esporte e conta expectativa com participação no Azuriz, de Pato Branco

Entrevista com

Marcelo

Cristiane Barbieri, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2022 | 10h00

Há 15 anos, o lateral-esquerdo Marcelo veste a camisa 12 do Real Madrid. É uma vida. Escolheu o número quando entrou no time espanhol por causa do dia de seu aniversário e resolveu dar o mesmo nome ao grupo que acaba de lançar e abriga suas empresas, como uma homenagem ao "legado que o número carrega". Aos 33 anos, o capitão do clube madrilenho e dono de 23 títulos na Espanha tornou-se um empresário serial. "Conforme fui crescendo na carreira, entendi que meu legado deveria ir além dos campos", diz ele. "O Grupo Doze nasceu com o propósito de levar o melhor do futebol para o mundo dos negócios."

Esses negócios incluem investimentos do próprio Marcelo e prestação de serviços a terceiros em áreas como gestão de talentos em futebol (que inclui assessoria fiscal e financeira, gerenciamento de imagem e vida pessoal), academias para o esporte e mídia.

Com 53 milhões de seguidores no Instagram e parte do time de influenciadores do LinkedIn, Marcelo produz e ganha dinheiro com conteúdo digital, como uma websérie sobre sua carreira veiculada no Youtube. A Doze Media também abriga moda, entretenimento e estilo de vida. Para citar alguns exemplos desse uso, num dos filmes para uma das marcas com as quais tem linhas de produtos, Marcelo interpreta um cabeleireiro com muita personalidade - e os fãs vão à loucura. Em outro post com quase 1,5 milhão de curtidas, celebra a vitória de seu filho e um dos atletas que assessora, Enzo, pelo troféu no La Liga Promises, também com milhões de likes.

Em sua iniciativa mais ambiciosa, chamada Doze Clubs, Marcelo tem participação no Azuriz FC, de Pato Branco (PR), e no Mafra CD, de Portugal. "O Azuriz foi adquirido para se tornar referência em formação de atletas (...) e o Mafra, da segunda liga do Campeonato Português, para ter estrutura que nos permita dar um salto no mercado europeu, traçando um elo com o Azuriz no Brasil", diz. Assim, enquanto o Azuriz forma atletas, o Mafra funciona como vitrine para esses jogadores na Europa. "Estamos só começando, vem muita coisa por aí nos próximos anos", afirma. Marcelo é o financiador de todos os projetos. A seguir, as respostas de Marcelo:

O Doze se define como um grupo de empresas que traz a excelência do esporte para outras áreas. De que maneira?

O Doze nasce de uma vida dedicada ao esporte. São anos de estudo, experiência e vivência dentro do futebol, tanto de minha parte quanto por parte de toda a minha equipe, selecionada a dedo. No momento em que o Grupo Doze saía do papel, sabíamos que seria importante trazer os valores do futebol para nossa cultura organizacional. Entre esses valores estão alguns que eu mesmo levo fielmente em minha vida e carreira esportiva: a excelência; o desempenho extraordinário, fora da curva; o foco e dedicação com o objetivo de superar qualquer limite. Com esses preceitos, trabalhamos o grupo em diferentes frentes de negócios, sempre estimulando nossos projetos a irem além, a trazerem a excelência do nosso core business, a diferentes mercados.

Atualmente a Doze tem três frentes de negócios diretamente relacionadas ao futebol, sendo a Academy 12, uma escola de futebol baseada na Metodologia 12 desenvolvida por mim e pelo meu parceiro, CEO da Doze e ex-jogador de futsal, Caio Alves; a Doze Football, uma empresa responsável pela gestão 360 da carreira de jogadores de futebol e o Clubs, parte da Doze dedicada à gestão e negociação de clubes de futebol. Além desses empreendimentos com foco esportivo, hoje estamos expandindo nossos negócios para o mercado online de entretenimento e música por meio da Doze Media.

Qual é a metodologia para trazer esses preceitos aos negócios?

 A Doze não possui uma metodologia única, acreditamos na excelência na prestação de serviço em nossas frentes de negócio, por isso existe uma equipe especializada em cada segmento em questão. Na Academy 12, temos nossa metodologia esportiva baseada na fenomenologia do movimento, multilateralismo e prática esportiva. Por meio dessa metodologia e de uma equipe multifacetada, estimulamos nossos jovens atletas a aprimorarem suas qualidades individuais, assim como desenvolverem melhor ação, desempenho, habilidade motora e comportamento adaptativo às diversas situações.

No Doze Football, temos uma equipe atuando no gerenciamento da carreira de nossos atletas por meio de um modelo de gestão tailor made, no qual cada talento individual tem sua consultoria adaptada ao que mais necessita.

No Clubs, somos conselheiros no desenvolvimento de cada um dos clubes e negociações de compra e venda de jogadores e na Doze Media, o mais novo empreendimento da Doze, visamos criar produtos digitais que se expandem a demais segmentos, não somente do esporte. Nesse segmento em questão, estamos expandindo os horizontes visando atrair diferentes clientes interessados em se engajar no ambiente digital.

Com 53 milhões de seguidores no Instagram, 12 milhões no Twitter e sendo influenciador do LinkedIn, as mídias sociais certamente farão parte da estratégia de crescimento da Doze. Qual é o plano para usá-las?

Atualmente, a Doze Football é responsável pela gestão da minha carreira, que contempla também toda a parte referente ao gerenciamento de imagem e assessoria digital. Já a Doze Media começa explorando os mercados digitais, de criação de conteúdo e entretenimento explorando também a minha imagem e a dos demais jogadores. Portanto, indiretamente o Grupo Doze, como empresa guarda-chuva dos empreendimentos citados acima, gera receita por meio de um trabalho de influência construído com seus atletas, especialmente com a Doze Media que tem o objetivo principal de desenvolver produtos online, como por exemplo uma websérie sobre minha vida que está disponível em meu canal no YouTube.

Como o Enzo (seu filho) e os outros jovens talentos do futebol fazem parte dos planos da Doze?

A Doze Football, segmento do Grupo Doze dedicado a gestão de carreira 360 de atletas, vem trabalhando com cinco jogadores, além de mim. Nossos jogadores de base na Europa são Jose Reyes Lopez, que joga na categoria Cadete, além de Enzo Alves e Raúl Andrei, que jogam no Infantil B, ambos atletas que já acompanhamos há algum tempo e assessoramos, visando a permitir que eles se desenvolvam plenamente como profissionais. Eles recebem toda a assessoria necessária em diferentes áreas como representação esportiva, gestão de carreira, gerenciamento de imagem, assessoria digital e financeira. Recentemente incorporamos ao nosso time dois novos atletas de base promissores que jogam no Brasil, Nathan Ribeiro e Lucas Camilo, ambos do Grêmio. Nosso objetivo é seguir expandindo nosso time de grandes atletas, com foco principal na personalização de nossos serviços e desenvolvimento pleno de cada um de nossos jogadores.

"O Azuris tem como missão ser o clube formador de atletas mais respeitado do Brasil", diz o site do Doze. O que suporta esse plano? A empresa pretende captar dinheiro junto a investidores?

O segmento "Clubs" do Grupo Doze atualmente detém um porcentual dos clubes Azuriz FC, em Pato Branco, Brasil, e Mafra CD em Mafra, Portugal. Para cada clube existe um objetivo específico aliado ao compromisso de desenvolver em ambos uma boa estrutura que permita seu crescimento e consolidação como um clube prestigiado em sua região.

Posso dizer que o Azuriz foi adquirido com a meta de se tornar referência em formação de atletas, e foi o que fizemos. Atualmente começamos a colher os frutos desse trabalho iniciado há quatro anos e podemos dizer que estamos em um processo de expansão. Nossa mais recente aquisição, o Mafra, é um clube da segunda liga do Campeonato Português, e temos como ideia implementar nele uma estrutura que nos permita dar um salto no mercado europeu, traçando um elo com o Azuriz no Brasil. Assim temos o Azuriz formando atletas e o Mafra funcionando como uma vitrine para esses jogadores na Europa. E digo que estamos só começando, vem muita coisa por aí nos próximos anos.

A SAF (Sociedade Anônima de Futebol, cuja regulamentação foi promulgada no ano passado) ajudou na montagem do plano da empresa?

Sim, com total certeza, com a SAF os investidores começaram a enxergar o mercado de futebol brasileiro de uma outra maneira. Esse modelo permite que os clubes se estruturem melhor e passem a ter uma gestão eficiente, transparente e profissional. Ou seja, agora eles também têm a oportunidade de liquidar suas dívidas. Assim como já acontece no futebol europeu, vamos poder trabalhar com os clubes brasileiros por meio de uma abordagem empresarial.

É pouco comum jogadores com cabeça de empreendedores. De onde vieram as ideias, a vontade e o tino para os negócios?

Eu sempre soube que minha carreira seria traçada no futebol. Ainda novo cultivava na minha mente que iria superar meus limites e deixaria um grande legado. Com o passar dos anos, quando fui crescendo em minha carreira, conquistando espaço, títulos, entendi que meu legado deveria ir além dos campos. A partir desse momento comecei a me movimentar para que pudesse contribuir com o futebol além dos campos, levando toda minha experiência para um projeto que tivesse a minha cara. Assim nasceu o Grupo Doze, um empreendimento com o propósito de levar o melhor do futebol para o mundo dos negócios.

Há alguma meta de faturamento da Doze? Quais os planos?

O Grupo Doze enquanto uma empresa guarda-chuva foi criado especialmente para uma melhor gestão das empresas que já levavam meu nome. Dentro da estrutura da empresa temos diferentes frentes de negócios e business plans com suas metas financeiras.

A criação desse negócio aconteceu apenas pelo dinheiro? Qual foi o objetivo?

Não, como respondi anteriormente, o Grupo Doze nasce de uma necessidade minha de levar meu legado para além dos campos. Junto a uma equipe que me incentivou e conseguiu captar a minha essência, criamos a Doze e suas diversas frentes de negócio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.