AFP
AFP

'Tenho mais respeito dos alemães', afirma Felipão na China

Campeão sobre o Bayern, ele diz que devia ter ido antes para a Ásia

Estadão Conteúdo

23 de julho de 2015 | 11h24

Felipão abriu o coração após levar seu novo clube, o Guangzhou Evergrande, da China, ao título de torneio asiático diante do Bayern de Munique, da Alemanha. Após empate sem gols e vitória por 5 a 4 nos pênaltis, o ex-treinador da seleção brasileira conversou muito com Pep Guardiola e alguns jogadores alemães. E revelou que devia ter trocado de país há mais tempo e que é mais respeitado por alemães do que alguns brasileiros.

"Ele (Guardiola) me perguntou se estou feliz aqui na China. Disse que sim. Me arrependo de não ter vindo antes. Os chineses querem aprender e são dedicados", disse Felipão. "Falei bastante também com o Phillip Lahm. Tenho mais respeito deles (alemães) do que alguns brasileiros", desabafou.

Desde os 7 a 1 sofridos para a Alemanha na Copa do Mundo, Felipão vem sofrendo muito com as críticas e, mesmo com passagem pelo Grêmio, não conseguiu se livrar daquele resultado amargo do Mundial. Agora, ele busca a paz e a volta por cima na carreira do outro lado do planeta, onde vive dias maravilhosos. 

O JOGO

No jogo que marcou o reencontro de Luiz Felipe Scolari com alguns dos principais jogadores que ajudaram a Alemanha a golear o Brasil por 7 a 1, na semifinal da Copa do Mundo de 2014, no Mineirão, o técnico acabou levando a melhor deste vez. O jogo foi nesta quinta-feira. Agora no Guangzhou Evergrande, o treinador comandou o time chinês, recheado de brasileiros, como Robinho, ex-Santos, em partida contra o Bayern de Munique, onde os anfitriões levaram a melhor nos pênaltis após empate por 0 a 0 no tempo normal.

No confronto amistoso de preparação para o rival alemão, Felipão reviu Manuel Neuer, Jerome Boateng, Phillip Lahm e Thomas Müller, titulares da Alemanha naquele humilhante jogo para a seleção brasileira em Belo Horizonte, assim como Mario Götze, que ficou na reserva contra o Brasil. Também deu forte abraço em Pep Guardiola.

Na disputa por pênaltis no Tianhe Stadium, em Guangzou, Müller desperdiçou sua cobrança logo na primeira bola. O atacante, que abriu o placar para a Alemanha no 7 a 1 contra o Brasil, bateu mal e parou na defesa do goleiro Zheng Cheng. Depois, o brasileiro Paulinho, Young-Gwon (com uma bela cavadinha), Yu Hanchao, Zhao Xuri e Feng Xiaoting converteram as cobranças dos 'chineses', enquanto Xabi Alonso, Boateng, Douglas Costa e Thiago Alcântara fizeram para a equipe alemã.

Antes de ser parado pelo Guangzhou, o Bayern havia derrotado a Inter de Milão por 1 a 0 e goleado o Sevilla por 4 a 1 na competição amistosa. Desta vez, a equipe alemã não conseguiu aproveitar as chances que teve de marcar, assim como o time da casa também desperdiçou boas oportunidades. Paulinho, Robinho e Ricardo Goulart disputaram o jogo como titulares - somente Paulinho enfrentou a Alemanha no Mundial. Naquela ocasião, ele iniciou o confronto no banco e entrou após o intervalo, quando o Brasil já perdia por 5 a 0.

Pelo lado alemão, entre os jogadores da seleção que bateram no Brasil na Copa, Neuer e Boateng saíram jogando, enquanto Lahm e Müller só foram colocados em campo pelo técnico Pep Guardiola na etapa final. O treinador espanhol conversou e trocou elogios com Felipão pouco antes de a bola rolar. Entre os brasileiros que estiveram em campo pelo lado do Bayern, Rafinha jogou desde o começo, enquanto Douglas Costa, recém-contratado, entrou depois. Nenhum deles conseguiu se destacar. Müller parou em duas boas defesas de Zeng Cheng, enquanto Gao Lin desperdiçou a melhor chance de marcar para os 'chineses', após ficar cara a cara com o goleiro Lucic. Nos pênaltis, o time de Felipão 'deu o troco' e venceu por 5 a 4.

"Foi bom o jogo e os chineses aprenderam bastante. Após a partida eles ficaram comentando sobre o jogo do time alemão. Puderam observar a troca de passes e a movimentação. E principalmente como o Guardiola muda diversas vezes o esquema tático durante a partida. Tenho certeza que foi muito útil para minha equipe," contou Felipão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.