Guarani acusa Corinthians de forjar gatos

O Corinthians festejou no começo do mês as conquistas dos títulos estaduais das categorias sub-15 (infantil) e sub-17 (juvenil). Mas a fábrica de craques do Parque São Jorge é, segundo acusações da direção do Guarani, uma "fábrica de gatos". A denúncia é grave: oito jogadores juvenis teriam mais do que o limite de idade permitido e o clube campineiro já apresentou denúncia no Tribunal de Justiça da Federação Paulista de Futebol e também na promotoria pública. Mas apresentou a documentação irregular de apenas um atleta inscrito como Nilmar Costa de Oliveira, que teria 16 anos. O seu verdadeiro nome seria Gilmar de Oliveira Costa e teria dois anos a mais, portanto, 19 anos. A certidão de nascimento e o R.G. (Registro Geral) originais foram encaminhados no recurso e realmente causam estranheza. Os "falsificadores" não foram criativos. Inverteram os dois sobrenomes e também trocaram o nome de Gilmar para Nilmar. Mas a data de nascimento é a mesma no tocante a dia e ano (7 de fevereiro) só que o ano é diferente - 1984 e 1987. O jogador já era antigo conhecido do técnico Donizete de Lima, que jura ter visto o "menino" vestindo a camisa da Ponte Preta há dois anos. A partir daí, o treinador não mediu esforços para comprovar sua desconfiança. Viajou até Feira de Santana, na Bahia, onde se apresentou uniformizado e identificado como diretor do Corinthians para pegar os documentos verdadeiros junto à família do jogador. "Meu objetivo é apenas moralizar o trabalho de base dos clubes. É impossível vencer times com gatos, porque garotos de 15 ou 16 anos não têm a mesma força de jogadores de 18 ou 19. É injusto, irregular e criminoso", diz Donizete, que também se viu motivado a fazer justiça depois das humilhações que passou nos jogos finais com o Corinthians, uma vez que antes disso ele já tinha comunicado à direção do adversário sobre as irregularidades existentes. "Eles tiraram sarro de mim durante os jogos. Falaram que eu devia correr atrás dos gatos e mandaram o Abuda (atacante corintiano) chutar a bola em mim." O problema não pára aí. Donizete tem recebido ameaças de agressão e até de morte, mas avisa que não vai arredar pé até provar a verdade. "Não vou parar enquanto tudo não for esclarecido", promete, acusando como responsáveis pelos fatos o diretor Wando de Moraes e o técnico José Augusto.Segundo Donizete, o Corinthians teria "cerca de oito jogadores irregulares". Mesmo assim os jogos finais foram disputadíssimos. No primeiro confronto, em Campinas, o Corinthians levou a melhor, vencendo por 3 a 0, com três gols de Abuda. No segundo o Guarani precisava vencer por quatro gols e chegou a abrir 5 a 0. Depois teve dois jogadores expulsos, sofreu dois gols e se viu obrigado a disputar o título na prorrogação: perdeu por 2 a 0. Além de ajudar a moralizar o futebol, o Guarani espera conquistar o título no tribunal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.