Guarani ameaça colocar juvenil em campo

O Guarani, próximo adversário do Corinthians no Campeonato Brasileiro, vai começar a semana com um grande problema: contornar a crise que se abateu sobre o elenco após o grupo optar por fazer greve na sexta-feira. O presidente José Luis Lourecentti, mesmo tendo uma imagem de bonachão, promete rigor contra os grevistas e ameaça até colocar o time juvenil em campo para o próximo jogo. "Vai ficar quem quiser. E tem mais: o Guarani é um clube que sempre cumpriu seus compromissos e ninguém vai sair daqui reclamando", diz o dirigente, inconformado com a atitude dos jogadores que ele considerou "radical". O clube está com um mês de atraso nos pagamentos. Dia 20 de novembro será completado o segundo mês. Os dirigentes justificam o atraso por conta de uma ação judicial movida pelo ex-goleiro Hiran, que conseguiu bloquear R$ 400 mil nas contas bancárias do clube. O valor total da ação é de R$ 900 mil, mas o restante foi parcelado em 24 parcelas. A crise também culminou com a saída do gerente de futebol Neto Ferreira. Segundo o próprio Neto, os líderes da greve foram o goleiro Jean, o lateral Ruy, o meia Esquerdinha e o atacante Rodrigão, coincidentemente, jogadores que já não estavam nos planos do clube para a próxima temporada. A posição do elenco pode antecipar uma reformulação do grupo, embora possa comprometer o objetivo do time nesta reta final do Brasileiro que é garantir uma vaga na Copa Sul-Americana de 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.