Felipe Rau/AE
Felipe Rau/AE

Guarani comemora vaga na final do Paulistão, mas vê Santos favorito

Equipe venceu a Ponte Preta, de virada, por 3 a 1 e avançou à final pela 2.ª vez em sua história

AE, Agência Estado

29 de abril de 2012 | 21h10

CAMPINAS - Pela segunda vez na sua história centenária o Guarani vai disputar uma final de Campeonato Paulista. E nem uma campanha surpreendente e elogiada pelos adversários ou a euforia gerada pela vitória no dérbi diante da Ponte Preta, por 3 a 1, neste domingo, tiram o técnico Osvaldo Alvarez de sua razão. Para ele não há dúvida: o Santos é o grande favorito para o título.

"É uma questão real, porque não há dúvida de que o Santos tem um elenco bem maior e melhor do que o Guarani. Mas até eles serem campeões, vão ter que nos superar nos dois jogos", afirmou o técnico bugrino que continua invicto em dérbis, dirigindo os dois clubes. Agora são cinco vitórias e quatro empates.

Ele acha, inclusive, que um dos trunfos do seu time será disputar o primeiro jogo dentro do Estádio Brinco de Ouro da Princesa, onde o aproveitamento no Paulista é superior a 90%. Em 12 jogos, o Bugre venceu 11 e perdeu apenas uma vez, justamente, para o Santos, por 2 a 0, dia 29 de fevereiro, pela 11.ª rodada.

Para Vadão, a vitória do Guarani no dérbi foi merecida. "Mesmo no primeiro tempo, quando levamos o 1 a 0, nós dominamos as ações em campo, mas somente não fizemos o gol. No segundo tempo, voltamos com tudo e fizemos os gols da virada e da grande vitória", avaliou.

O presidente Marcelo Mingone já descartou a possibilidade de disputar os dois jogos em São Paulo para conseguir um lucro maior. Esta seria uma proposta do presidente Luis Álvaro Oliveira Ribeiro, do Santos, que foi recebida com estranheza em Campinas. "O engraçado é que no ano passado o Santos abriu mão de jogar em São Paulo para receber o Corinthians e ser bicampeão na Vila Belmiro, com menos de 15 mil pessoas. Agora eles mudaram de ideia", ironizou o dirigente.

A decisão caberá à Federação Paulista de Futebol que, segundo o regulamento, tem o mando de todos os jogos a partir da segunda fase. Mas se prevalecer o raciocínio das quartas e das semifinais, um dos jogos será realizado em Campinas e outro em Santos ou São Paulo, conforme decisão do outro finalista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.