Guarani conquista 3 pontos em São Januário

O Guarani impôs, nesta quinta-feira à noite, a segunda derrota consecutiva do Vasco, em SãoJanuário; lançou o clube carioca numa crise e voltou para Campinas com a sensação do dever cumprido. A vitória por 1 a 0 foi conquistada com méritos do técnico Joel Santana, profundoconhecedor das manhas do Vasco e seu alçapão, na zona norte do Rio. Com o resultado, o Guarani deixou a área próxima do rebaixamento e deu um salto para o grupo intermediário do Campeonato Brasileiro. O visitante veio a São Januário para jogar nos contra-ataques. Exerceu marcação rígida e eficiente sobre o time da casa e dominou o meio-de-campo, a maior parte do tempo. Muito bem armado, o time de Campinas tocava a bola com rapidez e envolvia o Vasco. Apesar disso, a primeira grande oportunidade da partida foi da equipe carioca. Começou com um chute forte de Anderson, que Jean defendeu parcialmente. Na sobra, Valdir chutou a bola na trave e Victor Boleta completou para o gol. Mas ele estava em impedimento, bem assinalado pelo árbitro. "Conheço a pressão em São Januário. Aqui, é suportar os primeiros 15, 20 minutos e, depois, tocar o barco", disse Joel Santana, logo após a partida. E foi exatamente o que ocorreu. A pressão do Vasco durou 18 minutos, o tempo que o Guarani levou para marcar o único gol do jogo. O lance começou com Patrick, que fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Alexandre finalizar, de cabeça, antecipando-se a Ygor. O goleiro Fábionada pôde fazer para evitar o gol. Patrick foi um dos melhores em campo. Driblou várias vezes, sempre em busca do ataque, e atuou de forma inteligente, tentando abrir espaços para o jogo fluir pelas laterais. Ele teve uma chance de gol, assim como Sidnei e Roncatto. Este sónão ampliou o placar por uma incrível infelicidade. Recebeu a bola na pequena área, sem marcação e concluiu equivocadamente. Em seguida, muito cansado, foi substituído por Ricardo Lobo. O segundo tempo já estava em andamento e parecia uma cópia dos primeiros 45 minutos. O Guarani jogava nos contra-ataques e procurava tocar a bola, enervando o time a torcida do Vasco. As vaias para os donos da casa logo surgiram, com protestos mais tensos de facções organizadas. Uma delas chegou a assistir aojogo de costas para campo. Reflexo da posição do Vasco na tabela, hoje, em 22º lugar. Com o passar do tempo, os cariocas se lançaram ao ataque de maneira desordenada. Isso permitiu novas oportunidades ao Guarani. Careca, no final, perdeu outro gol. Ricardo Lobo também esteve em condição de deixar sua marca, mas lhe faltou sorte. Bastou ao Guarani manter a tranquilidade e fazer um pouco de cera para anular qualquer possibilidade de reação do Vasco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.